17 de fev. de 2020

By Kilian Back to Black - Avaliação/Resenha/Review



Lançado em 2009 como uma das primeiras expansões da linha original de fragrâncias da marca By Kilian Back to Black já é um clássico e certamente é um dos melhores da marca. 

Mutos Kilian são experiências decepcionantes pois entregam perfumes comerciais a preços estratosféricos no qual não há grandes melhorias na fragrância em si. Já Back to Black é um dos que consegue vender muito bem a ideia de luxo e sofisticação em um belo aroma de tabaco.

Prestando uma homenagem à cantora Amy Winehouse e seu segundo álbum que leva o mesmo nome do perfume, Back to Black é, segundo o conceito, um retorno à sensualidade e a atração narcótica do tabaco. Certamente não é qualquer tabaco, e sim um tabaco de cachimbo aromatizado com sofisticação e harmonia. 

Se em Forbidden Games a perfumista Calice Becker decepciona com um perfume ridículo aqui ela faz um trabalho que entrega tudo que você espera de um tabaco sedutor e narcótico.

Back to Black tem uma aura de certa forma linear, indo do começo ao fim ao redor do aroma de tabaco. Esse é um tabaco que tem um aspecto defumado e um aroma de mel adocicado e ao redor dele temos um aroma de cerejas, nuances de amêndoas e tonkas e toques especiados de açafrão e cardamomo.

 De fundo há uma certa aura doce e amadeirada e que remete a um licor, estendendo muito bem o aroma do tabaco sem tirar o foco dele. É um aroma denso e que é complexo, mas que da forma que é construído te dá a impressão de ser algo simples em suas nuances porém exótico em seu aroma. 

É um perfume que parece fazer jus a sua musa inspiradora e seu álbum, com uma aura retrô e um certo aspecto carnal erótico e que não é politicamente correto. Um dos poucos da marca que vale a pena conhecer.

By Kilian Forbidden Games - Avaliação/Resenha/Review



Alguns perfumes são praticamente como esses anúncios de jogos no Facebook: as notas e a descrição funcionam como uma isca sedutora e interessante para que você baixe e compre o produto. Aí quando você faz isso percebe que foi enganado com uma propaganda elaborada de um produto decepcionante.

É o que acontece em Forbidden Games, que faz parte da coleção The Garden of Good and Evil. Creio que nesse caso esse perfume represente o mal, mas não da forma sensual que eles desejavam.

O tema de Forbidden Games é personificar o espírito da tentação que leva ao total abandono. A composição, teoricamente, é feita de frutas, especiarias, flores e ambar, um néctar de frutas proibido para mortais.

Na prática, o único abandono que temos aqui é o do bom senso e se esse néctar de frutas é proibidos para mortais é por que ninguém em seu juízo tentará beber um shampoo. Não é que Forbidden Games seja ruim, ele é péssimo, talvez o Kilian mais sem vergonha que eu já senti na minha vida.

A perfumista Calice Becker, tão renomada, deveria ter vergonha de por seu nome em um perfume tão medíocre. Forbidden Games é basicamente seu aroma frutado e floral de um perfume da boticário com fixação decente e custando 10x mais. Se você gosta de cheiro de shampoo frutado e tem dinheiro sobrando para jogar mais de 1000 reais fora essa é uma excelente opção.

By Kilian Black Phantom - Avaliação/Resenha/Review


A primeira coisa que você imagina quando começa a ler a lista de notas e a descrição de Black Phantom é certamente um perfume exagerado. Ele foi feito para ser assim, inspirando-se no universo dos piratas, suas cruzadas pelo mar, seus drinks com café rum caribenho que esconde uma ameaça mortal, o aroma de amêndoas que esconde o veneno de cianeto. É um perfume que parece mesclar o exagero beirando o suicido só pelo prazer da aventura.

E considerando um cenário desses Black Phantom certamente entrega algo exagerado, porém não fatal. Não estamos diante de uma morte por excesso de açúcar em um aroma gourmand e sim em um exercício de intensidade e contraste de aromas gourmands. Black Phantom explora uma tendência que vem aparecendo nos últimos perfumes gourmands recentemente, onde o aroma mais açúcarado e adocicado é contrastado com notas torradas e de caráter mais dark.

O aroma do café é o que abre a composição e é necessário prestar atenção pois seu aspecto torrado pode se perder pois vem acompanhado do aroma doce e alcóolico do rum e do cheiro gourmand meio amargo do chocolate. Logo se junta a ele o aroma mais adocicado da cana de açúcar e o aroma amendoado e meio amargo das amêndoas e heliotropo, que fazem o papel do veneno disfarçado em meio aos aromas gourmands.

De fundo surge uma base que envolve o cheiro amadeirado de sândalo e vetiver em uma textura gourmand torrada de castanha. O perfume é bem intenso, rápido em suas nuances, talvez até mesmo um pouco caótico na forma como passa com elas. Mas não é uma fragrância tola ou que desperdiça seu tema, mostrando-se assim uma boa criação da By Kilian que vale a pena ser conhecida.

By Kilian Smoke For The Soul - Avaliação/Resenha/Review


Anteriormente parte de uma coleção relacionada a temas viciantes, Smoke For The Soul hoje é um perfume solto das linhas olfativas que a marca introduziu recentemente. Sua temática olfativa é relacionada a capturar o aspecto mais clássico e primitivo da perfumaria, a do aroma através da fumaça do incenso, do tabaco e do Bakhoor - madeiras que na tradição árabe são embebidas em resinas aromáticas e acendidas para perfumar o ambiente.

Smoke for The Souk é um dos poucos By Kilian que consegue aliar algo mais ousado a uma estrutura já bem conhecida. Ele traz uma inspiração de certa forma polêmica ao utilizar um acorde de maconha em combinaçao com eucalipto e o tabaco. Com isso, a saída é bem intensa e diferente, imagino que uma primeira impressão bem polarizante.

É como se fosse uma infusão de ervas mentoladas quentes e, ao mesmo tempo, queimadas, algo com orégano no meio e um cheiro seco de tabaco. Depois de uns 30-40 minutos, o perfume começa a ir numa direção que o Ellena gosta de dar a seus perfumes, um cheiro aveludado, de um tom herbal leve e um quê especiado.

Essa fase final me remete principalmente ao Declaration, e uma versão da ideia do Declaration vitaminada em ervas e tabaco é bem interessante.Smoke For The Soul consegue assim capturar bem a sua ideia mais primitiva, ousada e viciante e ainda sim oferecer um perfume amadeirado contemporâneo e que dá para ser usado.

By Kilian Apple Brandy - Avaliação/Resenha/Review


Com essa criação, Killian Henessy me parece homenagear tanto os negócios de sua família quanto Nova York. Esse conhaque de maçã está no ponto onde você consegue fazer a relação com a inspiração mas ao mesmo tempo não parece que você se perfumou com alguma bebida. 

Acho interessante a nota de maçã aqui, ela me parece morna, como se fosse alguma bebida alcoólica de maçã usada em uma receita que está no forno e você estivesse sentindo o aroma no ar. Há algo aqui que me remete muito a imortelle, um aroma de açúcar queimado que na proporção usada ajuda a reforçar a nuance alcóolica doce da idéia. 

A base de Apple Brandy puxa mais para o aroma amadeirado da bebida envelhecendo, aqui em barris de cedro. É um aroma amadeirado seco, porém macio, com um toque discreto de baunilha, ambar e ambroxan para conferir luminosidade a idéia. 

Eu sinto que, diferente da grife Les Liquides Imaginaires, Kilian conseguiu fazer um aroma coerente do começo ao fim com sua inspiração. É certo que em um By Kilian você está adquirindo uma bela apresentação de luxo, mas o perfume, no caso de Apple Brandy, não deixa a desejar. Espero que o tornem mais acessível com os excelentes refis que a marca oferece.

By Kilian Intoxicated - Avaliação/Resenha/Review



Intoxicated faz parte da coleção da Kilian denominada de Cellars. É uma coleção feita para celebrar as madeiras em suas mais variadas formas, porém com a ideia de oferecer algo relacionado a herança da famíçia Hennessy, incluindo assim aromas de rum, café, cacau, conhaque e uísque.

Para quem é fã de perfumes de café Intoxicated parecia perfeito ao prometer um aroma viciante de café turco combinado com o aroma do cardamomo em duas extrações distintas. O cenário viciante se completaria com o aroma da canela e da noz moscada e a doçura de um açúcar caramelizado.

Na pele, porém, esse perfil de notas perde a chance de criar algo distinto e entrega uma variação da mesma ideia do perfume Amen de Thierry Mugler. É o mesmo cheiro de especiarias, patchouli, café torrado e madeiras, menos doce que o tradicional e mais discreto. Outro perfume que para mim não faz sentido existir pois só acrescenta preço e nome a uma ideia comercial que funciona muito bem.


By Kilian Light My Fire - Avaliação Rápida


De alguma forma essa criação da Kilian parece misturar outros dois perfumes de nicho: Hermessence Vetiver Tonka e PG10 Aomassai. Isso parece acontecer pois os 3 usam de maneiras distintas um mesmo tipo de vetiver que lhes concede um aroma esfumaçado, denseo e amadeirado. Light My Fire parece herdar parte das nuances de mel e dos aromas gourmands torrados do aomassai mas pende na base para um um aroma mais amadeirado e seco de vetiver similar ao que é trabalhado em Vetiver Tonka. Não é um perfume ruim, porém é redundante caso você já conheça ou tenha as fragrâncias mencionadas.

By Kilian Vodka On The Rocks - Avaliação Rápida


Um exemplo de como fazer um perfume exclusivo e caro com as mesmas características olfativas de algo comercial que não custe nem metade. Um aroma cítrico, fresco e floral que é agradável porém não luxuoso, digno de um perfume aquático aromático que não custa nem metade do que é cobrado aqui. Não vale a pena.

13 de fev. de 2020

Olibere Paris Le Jardin d'Amelie and Le Jardin de La Reine - English Review


With the exception of Le Jardin de Madame Chan, which stands out for its more classic and opulent aura, the perfumes in the Les Insoumises collection have in their essence a spring aura that varies in intensity and in the citrus and floral freshness among the members.

They are cost-effective perfumes that seem to offer something more exclusive but with a more commercial dynamic, as if they were improved versions of ideas already known to the public. They end up being worthwhile because the olfactory constructions that Luca Maffei delivers here are exceptional even when the themes are already known. And for fresh / light perfumes, the performance is really good.

Le Jardin d'Amélie

Le Jardin d'Amelie is inspired by the protagonist of the acclaimed French film "Le fabuleux destin d'Amélie Poulain ". Just like the protagonist that inspires the creation, it is a delicate and cheerful perfume that marks its presence in a more discreet and persistent way.

It is interesting that the perfumer uses rhubarb here without it giving a more sour side to the fragrance, which has a green and juicy aroma that to my nose is like an imaginary accord of green apple and citrus leaves.

The floral heart of the perfume is delicate, citrus and cheerful and maintains the spring aura of the opening, evolving into a base where musk, amber and woody accord combine in a second skin block with a light sweet and exotic touch, which seems to help sustain the lightness of the composition on the skin. Very consistent with the protagonist who inspires the creation.

Le Jardin de La Reine

Le Jardin de La Reine is inspired by the famous French Queen Marie Antoinette and probably the most modern version of its history, the film made by Sofia Coppola. A perfume centered on the queen of flowers, the rose, is dedicated to the famous French queen, and a kind of woody oriental musk is built in the style of fragrances such as Idylle and Narciso Rodriguez.

What changes is the quality of the rose used here, which shows its greener side and also seems to refer to the stem and leaves of the roses. Somehow, a side of ambergris seems to shine stronger among the oriental woody aroma and is a way of linking Maria Antônieta's obsession with ambergris (the queen even impregnated the walls of her apartments with ambergris).

Le Jardin de La Reine seems to be a bridge between the most spring side of the collection and the most exotic oriental perfume, Le Jardin by Madame Chan, and it is certainly one that even having a well-known aroma will please the female audience, representing in a modern way the opulent queen.

Olibere Le Jardin d'Amelie e Le Jardin de La Reine - Avaliação/Resenha/Review


Com exceção de Le Jardin de Madame Chan que se destaca pela sua aura mais clássica e opulenta os perfumes da coleção Les Insoumises possuem em sua essência uma aura primaveril que varia em intensidade e frescor cítrico e floral entre os integrantes.

São perfumes de bom custo-benefício e que parecem oferecer algo mais exclusivo mas com uma dinâmica mais comercial, como se fossem versões melhoradas de ideias já conhecidas do público. Acabam valendo a pena pois as construções olfativas que Luca Maffei entrega aqui são excepcionais mesmo quando os temas já são conhecidos. E para perfumes frescos/leves a performance não deixa a desejar.

Le Jardin d'Amelie

Le Jardin d'Amelie é inspirado na protagonista do aclamado filme francês "O Fabuloso Destino de Amélie Poulain". Tal qual quem lhe inspira é um perfume delicado e alegre e que marca a sua presença de uma maneira mais discreta e persistente.

É interessante que o perfumista usa o ruibarbo aqui sem que ele dê um lado mais azedinho a fragrância, que apresenta uma aroma verde e suculento que ao meu olfato é como um acorde imaginário de maçã verde e folhas cítricas.

O corpo floral do perfume é delicado, cítrico e alegre e mantém a aura primaveril da saída, evoluindo para uma base onde o musk, ambar e o acorde amadeirado se combinam num bloco segunda pele com um leve toque doce e exótico, que parece ajudar a sustentar a leveza da composição na pele. Bem condizente com a protagonista que o inspira.

Le Jardin de La Reine

Já Le Jardin de La Reine é inspirado na famosa rainha francesa Maria Antônieta e provavelmente na versão mais moderna da sua história, o filme de Sofia Coppola. Para a famosa rainha francesa é dedicado um perfume centrado na rainha das flores, a rosa, e é construído uma espécie de amadeirado oriental musk ao estilo de fragrâncias como Idylle e Narciso Rodriguez.

O que muda é a qualidade da rosa utilizada aqui, que demonstra seu lado mais verde e parece remeter também ao caule e às folhas das rosas. De alguma forma um lado de ambergris parece brilhar mais forte entre o aroma oriental amadeirado e é uma maneira de ligar a obsessão de Maria Antônieta pelo ambergris (a rainha chegou a impregnar as paredes de seus aponsentos com ambergris).

Le Jardin de La Reine parece ser uma ponte entre o lado mais primaveril da coleção e o perfume oriental mais exótico, Le Jardin de Madame Chan, e é certamente um que mesmo tendo um aroma conhecido irá agradar bastante ao público feminino, representando bem uma rainha moderna.

Boticario Botica 214 Black Vanilla - Avaliação/Resenha/Review


É interessante ver que na perfumaria brasileira atual empresas como Natura e Boticário tem se preocupado em acompanhar as tendências da perfumaria de nicho e exclusiva e adaptado isso para as suas realidades e para as realidades do consumidor brasileiro. Com a linha Botica 214 o Boticário mirava primeiramente numa perfumaria exclusiva ainda que com uma distribuição mais massificada, utilizando o código das preciosidades das matérias-primas e perfumes mais minimalistas na sua execução, umas espécie de Jo Malone Brasileira.

Em 2019 a marca deu o segundo passo em uma direção de nicho criando um segmento dentro da coleção Botica 214 voltada exclusivamente a sua loja interativa, tecnológica e mais conceitual, a Boticario Lab. Com as 5 fragrâncias lançadas a marca se permite explorar fragrâncias mais arriscadas em preços mais luxuosos, oferecendo uma experiência exclusiva e que se alinha bem com o que marcas de nicho tem feito fora do país. As fragrâncias propostas exploram temas clássicos da perfumaria: Baunilha (214 Black Vanilla), Rosa da Bulgária (214  Rose Magnifique), Neroli (214 White Neroli), Cedro e Ambar(Âmbar e Cedro do Líbano), Madeiras e Canela do Laos (214 Wood & Ambar).

Como não há a possibilidade de testar tais perfumes fora da loja conceitual tive que arriscar no escuro e comprar Black Vanilla, que se mostrou ser um risco acertado. Criado pela perfumista Alienor Massenet, Black Vanilla se encaixaria tranquilamente no catálogo de grifes de nicho de outros clientes da perfumista, o que mostra que a Boticário realmente se preocupou em oferecer algo excepcional. E dado o preço pago por tal fragrância (350 reais) o resultado olfativo final é surpreendentemente muito bom.

Talvez alguns estranhem o tipo de baunilha entregue aqui, pois ela não é nem um pouco doce ou açúcarada. Black Vanilla parece homenagear a baunilha em suas nuances naturais - a fava da baunilha possue um aroma mais ambarado, quente e até mesmo animalico e a tintura de suas favas em álcool de cereais produz um aroma licoroso, quente e doce de uma maneira adulta. A baunilha também é um dos elementos cruciais do acorde clássico de ambar, que é uma combinação de labdanum, baunilha e resinas aromáticas como mirra e benjoim.

Ainda que não seja listado mais que a baunilha e o rum como notas de Black Vanilla seu aroma seco e que remete a mel e própolis não deixa dúvidas de que esse é um perfume de baunilha em um acorde clássico de ambar. O rum trás o contexto da tintura de baunilha ao ressaltar seu lado mais licoroso e tem-se a impressão de que um uso discreto de cravo da india ressalta o lado mais defumado da fava. O aroma de ambar surge rapidamente junto com o cheiro especiado e de baunilha licorosa e leva o perfume na sua direção Black - principalmente para o público brasileiro, que não está acostumado com esse tipo de aroma.

Há algo interessante entre o aroma licoroso, especiado e ambarado, que é um cremosidade sutil que me remete a coco e me faz pensar na utilização da madeira Amyris, similar ao sândalo e com características similares. Ou então pode ser um leve toque de benjoim ou de mirra ajudando a dar mais complexidade ao acorde ambarado clássico. Projeção e performance são excelentes mas essa certamente é uma fragrância que além de premium atinge um público muito especifico e faz mais sentido ser apreciada e entendida numa experiência mais personalidade. 214 Black Vanilla é uma experiência nacional de nicho em todos os seus detalhes e que entrega além do que cobra.