Pesquisar este blog

22 de ago de 2017

Baruti Chai - Fragrance Review

Português (click for english version):
Certamente o nome de um perfume influencia o que se imagina mentalmente que ele será, o que pode ser motivo tanto para surpresas como desapontamentos. Em Chai, eu esperava sentir uma composição carregada em especiarias e não foi isso que a composição me passou. Apesar de eu amar especiarias, isso não é exatamente um desapontamento e irei explicar abaixo o motivo.
É muito difícil trabalhar especiarias em uma composição, principalmente quando se trata de utilizar especiarias quentes como cravo e canela em vez de especiarias frias como cardamomo. Coloque quantias pequenas de cravo e canela em uma composição e a chance de que elas dominem o todo é alta. O aroma é agradável e interessante, porém pode levar a um clichê de cravo e canela que domina tudo e dificulta a criação de uma identidade olfativa distinta.
E é justamente por isso que Chai me surpreendeu ao não ser um típico perfume de especiarias e sim uma composição que parece capturar o humor e aura de um ambiente invernal do momento do chá. É uma criação mais ampla, que utiliza sim doses picantes e quentes de cravo e canela mas deixa que o chá preto brilhe na composição, exaltando seu lado mais torrado e quente. É interessante que algo no perfume me faz pensar em açúcar mascavo, como se uma pontinha de seu aroma doce e torrado viesse a tona entre o aroma defumado de chá preto e das especiarias.
Esse Chai tem mais uma surpresa, um acorde de rosa que vai se revelando entre o lado mais pesado da composição e confere uma nuance mais delicada e sedosa a composição. A rosa é envolvida no aroma um pouco animálico de couro e um uso bem discreto de osmanthus que ajuda a reforçar a sensação de couro e a criar a nuance lactônica do leite na composição. O perfumista Spyros descreve Chai como uma composição bottom-up, feita primeiro pensando na fórmula e depois em como nomeá-la e descrever suas notas. Vejo que por mais que ele tenha dúvidas de como fazer essa segunda parte, em Chai suas intenções são bem sucedidas e ele realmente consegue criar uma composição de chá distinta, que foge do lugar comum mas que passa sua mensagem.

English:
Certainly the name of a perfume influences what one mentally imagines itself to be, which may be motive for both surprises and disappointments. In Chai, I expected to feel a spice-laden composition, and that's not what composition made me experience. Although I love spices, this is not exactly a disappointment and I will explain below the reason.
It is very difficult to work spices in a composition, especially when it comes to using hot spices like cloves and cinnamon instead of cold spices like cardamom. Put small amounts of clove and cinnamon in a composition and the chance that they dominate the whole is high. The aroma is pleasant and interesting, but can lead to a cliché of clove and cinnamon that dominates everything and hinders the creation of a distinct olfactory identity.
And that is precisely why Chai surprised me by not being a typical spice scent, but a composition that seems to capture the mood and aura of a tea-time winter environment. It is a broader creation, which uses rather hot and hot doses of clove and cinnamon but lets the black tea shine in the composition, exalting its roasted and hot side. It's interesting that something in the perfume makes me think of brown sugar, as if a touch of its sweet, burnt aroma came to the surface amid the smoky aroma of black tea and spices.
This Chai has one more surprise, a rose accord that is revealing between the heavier side of the composition and gives a more delicate and silky nuance to it. The rose is wrapped in a somewhat animaly aroma of leather and a very discrete use of osmanthus which helps to enhance the leathery feel and create the lactonic nuance of milk in the composition. The perfumer Spyros describes Chai as a bottom-up composition, made first by thinking of the formula and then how to name it and describe its notes. I see that as much as he has doubts about how to do this second part, in Chai his intentions are successful and he really manages to create a distinct tea composition that runs from the common place but transmits its message.