Pesquisar este blog

28 de ago de 2017

Prada Olfactories Heat Wave e Purple Rain - Fragrance Review


Português (click for english version):

Heat Wave

Considerando que todos os perfumes da primeira leva da coleção Prada Olfactories possuem referências a cultura pop, HeatWave não deixa bem claro ao que se refere, se é a um filme, uma música ou uma banda de mesmo nome. Com relação a temática do perfume em si, ela é bem clara e direta: a chegada a uma ilha enquanto a noite começa a acabar e o ar ainda está saturado do aroma de flores brancas noturnas.

E é justamente isso que Heat Wave entrega, uma aura saturada e densa de flores brancas que desabrocharam no período da noite. Em termos de estilo, esse poderia ter sido integrante da linha anterior de exclusivos da Prada e poderia muito bem ser chamado de Prada Jasmim ou Prada Ylang, que são as duas estrelas da composição.

Heat Wave abre com um aroma de ylang que ressalta o lado frutado da flor ao mesmo tempo que sugere os contornos adocicados, as nuances de mel e o lado verde e secundário da flor. Logo em seguida é possível notar o aroma de um jasmim que se assemelha mais ao Grandiflorum do que ao Sambac ao trazer o aroma ceroso e a nuance de lápis que a variedade Grandiflorum parece ter. Nesse momento, ylang e jasmim sugerem uma versão mais reforçada do aroma de Rue Cambon da Chanel, porém enquanto Rue Cambon se mostra mais refinada e sutil Heat Wave é um pouco cru no seu aroma floral. Depois que passa a saída, o aroma das flores brancas adquire um contorno um pouco indistinto, algo meio soapy, levemente efervescente e ligeiramente salgado talvez. A base é bem simples, meio musky e amadeirada e serve apenas para segurar as flores. É como se passando o período da noite a ilha na qual chegamos não tivesse mais nada a oferecer.

Purple Rain

Da linha exclusiva da Prada, Purple Rain é uma das criações com o conceito mais fácil de ser identificado já que ele se inspira em um momento icônico de um dos maiores artistas da música pop: Prince e seu filme e música de mesmo nome. É possível ver que o objetivo da marca era fazer uma associação com uma nota que se tornou icônica dentro da marca: a Iris.

A história da marca com o nobre material da perfumaria data de sua primeira coleção exclusiva. Em 2003 a marca lançaria o No 1 Iris, que serviria de base para a criação em 2007 do Infusion d'Iris, um grande sucesso da marca que gerou vários flankers e até uma versão masculina. E em 2015 a marca fez o caminho inverso propondo no perfume inspirado em Purple Rain uma versão moderna de seu No 1 Iris, com notas adicionais de vetiver e neroli.

Eu diria que há um problema de interpretação do conceito, já que Purple Rain não é muito púrpura e não possui nem um pouco da extravagância que poderiamos associar com Prince. O caminho era totalmente possível, visto que a marca poderia ter mantido a Iris e acrescentado um acorde de violeta, que daria o tom proposto pelo nome e ajudaria a trazer o perfume para o esperado. Se há alguma chuva aqui, é uma cinzenta, composta pelo aroma atalcado e terroso da iris, que ganha um neroli com um toque clean de sabonete e um vetiver + musks que acrescentam um colorido amadeirado e almiscarado discreto. É difícil dizer que esse aqui é uma versão moderna do No 1 Iris, já que não há grandes mudanças. É uma iris sofisticada, minimalista e elegante, mas sem grandes surpresas ou relação com o momento cultural que a nomeia.

English:

Heat Wave:


Considering that all the perfumes of the first batch of the Prada Olfactories collection have references to pop culture, HeatWave does not make it clear what it refers to, whether it is a film, a song or a band of the same name. Regarding the theme of the perfume itself, it is very clear and direct: the arrival on an island as the night begins to end and the air is still saturated with the aroma of white night flowers.

And that's exactly what Heat Wave delivers, a dense, saturated aura of white flowers that bloomed in the night. In terms of style, this could have been a member of Prada's previous line of exclusive and could well be called Prada Jasmine or Prada Ylang, which are the two stars of the composition.

Heat Wave opens with an ylang aroma that emphasizes the fruity side of the flower while suggesting the sweet outlines, the honey nuances and the green and secondary side of the flower. Soon afterwards you can smell the aroma of a jasmine that resembles Grandiflorum more than Sambac by bringing the waxy aroma and nuance of pencils that the Grandiflorum variety seems to have. At that time, ylang and jasmine suggest a more enhanced version of Chanel's Rue Cambon scent, but while Rue Cambon shows itself more refined and subtle Heat Wave is a bit raw in its floral scent. Once the opening passes, the scent of the white flowers acquires a somewhat indistinct outline, somewhat soapy, slightly effervescent and slightly salty perhaps. The base is very simple, half musky and woody and serves only to hold the flowers. It is as if passing the night time the island on which we arrived had nothing else to offer.

Purple Rain

From the exclusive Prada line, Purple Rain is one of the creations with the easiest concept to identify as it draws inspiration from an iconic moment from one of the greatest pop artists: Prince and his film and music of the same name. You can see that the goal of the brand was to make an association with a note that became iconic within the brand: Iris.

The history of the brand with the noble material of the perfumery dates from its first exclusive collection. In 2003 the brand would launch the No 1 Iris, which would be the basis for the creation in 2007 of Infusion d'Iris, a great success of the brand that generated several flankers and even a male version. And in 2015 the brand made the opposite way by proposing in Purple Rain a perfume inspired by a modern version of his No 1 Iris, with additional notes of vetiver and neroli.

I would say that there is a problem of interpretation of the concept, since Purple Rain is not very purple and does not have any of the extravagance that we could associate with Prince. That way was entirely possible, since the brand could have kept Iris and added a violet accord, which would give the tone proposed by name and would help bring the perfume to the expected. If there is any rain here, it's a gray one, made up of the earthy, earthy scent of the iris, which earns a neroli with a clean soapy touch and a vetiver + musks that add a discreet woody and musky color. It is difficult to say that this is a modern version of No 1 Iris, since there are no major changes. It is a sophisticated iris, minimalist and elegant, but without great surprises or relation with the cultural moment that names it.