Pesquisar este blog

25 de set de 2017

Atelier des Ors Iris Fauve - Fragrance Review

Português (click for english version):

Os últimos 12 anos tem sido um período extremamente favorável para a Iris dentro da perfumaria. Antes associada a algo feminino e datado a preciosa essência ganhou vida e inúmeras variações. O seu aspecto de escassez e preciosidade também foi resgatado e ressaltado dentro do mundo da perfumaria de nicho e exclusiva, o que teve tanto o efeito de torná-la mais conhecida do público como também um pouco mais comum e até mesmo menos preciosa.

O fato é que, porém, a Iris como matéria-prima ou nota é bem mais versátil do que sua representação atalcada pode demonstrar e quando interpretada como em Iris Fauve ela realmente brilha em seu luxo. A Marca francesa tem feito um excelente trabalho de unir forma e conteúdo e unir contemporaneidade, luxo e atemporalidade em suas criações e nas mãos da perfumista Marie Salamagne o novo lançamento da marca continua esse trabalho.

A Perfumista destaca que para criar Iris Fauve trabalhou com dois de seus materiais favoritos: iris e muscs. Entretanto, não estamos no território atalcado e amanteigado da noto e muitos menos em um mar de muscs sedosos. Iris Fauve leva tudo em uma direção de madeiras, especiarias e resinas, tirando o aspecto melancólico e muito vegetal que o absoluto de iris pode ter.

É bem interessante que Iris Fauve abre com um aroma terroso e cinzento da Iris que é tirado da sua melancolia pelo toque quente e levemente doce da canela. É uma dupla interessante já que a canela acrescenta um lado powdery quente e brilhante ao aroma da iris. As nuances amadeiradas do conceito são enfatizadas pelo uso de vetiver e do cypriol e estendidas em uma direção de resinas suavemente adocicadas. O aroma do musk atua mais como uma espécie de iluminador do conceito como um todo, dando leveza a uma ideia que poderia ser bem sisuda sem o ajuste fino. O conjunto da obra como um todo me faz pensar em um perfume que remete ao aspecto de algo artesanal, manufaturado em seus pequenos detalhes com maestria. Muito bom

English:

The last 12 years have been an extremely favorable time for Iris within the perfumery. Formerly associated with something feminine and dated the precious essence has come to life in numerous variations. Its aspect of scarcity and preciousness was also rescued and highlighted within the world of niche and exclusive perfumery, which had both the effect of making it better known to the public as well as making it more common and even less precious.

The fact is, however, that Iris as raw material or note is far more versatile than its stuck representation can demonstrate and when interpreted as in Iris Fauve it really shines in its luxury. The French brand has done an excellent job of uniting form and content and bringing contemporaneity, luxury and timelessness in its creations and in the hands of perfumer Marie Salamagne the new launch of the brand continues this work.

The perfumer points out that to create Iris Fauve it worked with two of her favorite materials: iris and muscs. However, we are not in the powdery and buttery territory of the note and neither in a sea of ​​silky muscs. Iris Fauve takes everything in a direction of woods, spices and resins, taking away the melancholic and very vegetable aspect that the iris absolute can have.


It is quite interesting that Iris Fauve opens with a gray and earthy scent of Iris that is taken from its melancholy by the warm and slightly sweet touch of cinnamon. It's an interesting pair since the cinnamon adds a powdery warm and shiny side to the scent of the iris. The woody nuances of the concept are emphasized by the use of vetiver and cypriol and extended in a direction of mildly sweetened resins. The aroma of musk acts more like a kind of illuminator of the concept as a whole, giving light to an idea that could be well stern without the fine adjustment. The work as a whole makes me think of a perfume that refers to the aspect of something handmade, manufactured in its small details with mastery. Very good.