Pesquisar este blog

20 de set de 2017

Molyneux Quartz Pour Homme - Fragrance Review

Português (click for english version):

Até 2000 eu creio que é possível afirmar com certeza que há muitos perfumes que simplesmente não precisam de uma data de lançamento para que possamos saber a qual década eles pertencem dado a assinatura clara de alguma das tendências olfativas, que se formavam mais lentamente e duravam muito mais tempo também. Quartz Pour Homme é um desses casos e um perfume que claramente exemplifica as tendências da década de 90.

Apesar de uma presença mais low-profile nos dias atuais a grife Moschino é uma veterana na perfumaria e no mundo da Moda, chegando a rivalizar com a Chanel nos auge dos anos dourados da perfumaria. Hoje a marca foca mais no mercado comercial do que no prestígio e aparentemente tem sido revivida com mais lançamentos e resgate de perfumes mais antigos (como Captain). A dupla Quartz, na minha opinião, é hoje um dos carros-chefe da marca e o masculino personifica bem a silhueta que os fougeres tomaram na década de 90.

Classificado como um Aquático Amadeirado, Quartz pode muito bem ser visto como um representante do Fougere Novo Frescor que foca mais em alguns aspectos que outros perfumes dessa época não focaram. De certa forma, Quartz me parece ter sido influenciado por um dos best-sellers do gênero, o Cool Water da Davidoff. A influencia, porém, está nas peças que são escolhidas para a composição e não no conjunto da obra.

Cool Water foi um perfume que tentou aliar a leveza persistente das notas aquáticas/ozônicas a suculência de um acorde frutado multidimensional e a aspectos verdes e Quartz Pour Homme foca nessas mesmas peças acrescentando a elas um toque spicy e nuances amadeiradas. É um perfume que procura capturar mais uma aura leve e persistente do que deixar seus elementos a mostra, o que não o torna tão fácil de ler. Entretanto, é possível identificar um fio condutor na sua ideia, notas que se descortinuam sob uma nuance verde e fresca.

Na saída, Quartz apresenta o aroma mais verde e ácido dos materiais que fazem o aroma de maçã verde, com a parte cítrica servindo mais para aparar as arestas agressivas e dar leveza a ideia. É interessante que apesar do perfume não listar abacaxi na composição a forma como o aroma de gálbano é utilizado aqui dá essa conotação também devido a materiais que em diluição cheiram tanto a abacaxi mais verde como a gálbano. As especiarias entram de fundo para dar um quê mais fougere clássico ao mesmo tempo que há um acorde ozônico bem claro para não ter dúvida de que década o perfume se encontra. A evolução, como muito da perfumaria pós década de 80 é simples e direta, um grande bloco de musks, ambar e madeiras que dão persistência,maciez e uma aura não complicada a composição. É uma ideia com elementos interessantes e certamente algo não tão fácil de ser produzido dado a agressividade de alguns dos materiais na saída. Curiosamente, ao mesmo tempo que parece bem datado ainda funciona dado o equilíbrio de sua engrenagem. Não é um dos meus estilo de composição favoritos devido ao aspecto ozônico e ao excesso de musk mas não deixa de ser interessante e um perfume com uma boa performance e bom custo-benefício.

English:

Until 2000 I believe it is possible to say with certainty that there are many perfumes that simply do not need a release date so that we can know which decade they belong given the clear signature of some of the olfactory tendencies, which formed more slowly and lasted a longer time too. Quartz Pour Homme is one such case and a perfume that clearly exemplifies the trends of the 1990s.

Despite a more low-profile presence these days the brand Moschino is a veteran in the perfumery and fashion world, even rivaling Chanel at the height of the golden years of perfumery. Today the brand focuses more on the commercial market than prestige and has apparently been revived with more releases and rescue of older perfumes like Captain). The Quartz duo, in my opinion, is today one of the flagship of the brand and the masculine personifies well the silhouette that the fougeres took in the 90's.

Classified as a Woody Aquatic, Quartz may well be seen as a representative of the New Freshness Fougere that focuses more on some aspects that other perfumes of that time have not focused on. In a way, Quartz seems to have been influenced by one of the bestsellers of the genre, Davidoff's Cool Water. The influence, however, is in the pieces that are chosen for the composition and not in the final result.

Cool Water was a perfume that tried to combine the persistent lightness of the aquatic / ozone notes with the juiciness of a multidimensional fruity accord and with green aspects and Quartz Pour Homme focuses on these same pieces adding to them a touch of spicy and woody nuances. It is a perfume that seeks to capture a more of a lingering aura aura than to let its elements show, which does not make it so easy to read. However, it is possible to identify a thread in its idea, notes that unfold under a green and fresh nuance.

At the opening, Quartz presents the greener and acidic aroma of the materials that make the aroma of green apple, with the citrus part serving more to trim the aggressive edges and give light to the idea. It is interesting that although the perfume does not list pineapple in the composition the way the galbanum is created here gives this connotation also due to materials that in dilution smell both like greener pineapple and galbanum. The spices come in the background to give a more classic fougere while there is a very clear ozone accord to have no doubt of what decade the perfume lies. The evolution as much of the post-80's perfumery is simple and straightforward, a large block of musks, amber and woods that give persistence, softness and an uncomplicated aura to the composition. It is an idea with interesting elements and certainly something not so easy to be balanced given the aggressiveness of some of the materials at the opening. Interestingly, at the same time it seems dated still works given the balance of its gear. It is not one of my favorite styles due to the ozone appearance and the excess musk but it is still interesting and a perfume with a good performance and good value for money.