Pesquisar este blog

8 de out de 2017

Fresh Cannabis Rose - Fragrance Review

Português (click for english version):

Entendo que boa parte das marcas de perfumes evitam composições com destaque a nota de maconha por todo o aspecto pejorativo que está associado ao uso da mesma. Certamente não é o caso da Fresh, que em 2006 lançou seu Cannabis Santal e que se provou um sucesso entre o público masculino e feminino. 2 anos depois, em 2008, a marca criou Cannabis Rose, voltada mais para o público feminino mas que na prática é bem unissex também.

A co-fundadora da marca comenta que o objetivo era criar uma composição quente e atraente, o que de fato combina muito bem com a aura criada. É importante mencionar que não há nenhum aspecto herbal defumado ou nada que possa remeter ao aroma de maconha na forma de baseado e que a erva apenas contribui para reforçar o aspecto herbal da composição e contribuir com a aura sensual. As verdadeiras estrelas aqui são o patchouli e a rosa.


A Rosa de Cannabis Rose é mais carnal, bem intensa nos primeiros momentos, um aroma brilhante e licoroso de rosa com um quê meio vintage em sua aura. O Romã acaba contribuindo com um toque frutal um pouco ardido e que se mistura bem com a nuance de chocolate amargo, maconha e patchouli da composição. E conforme os momentos mais tórridos e o clímax de Cannabis Rose passam a composição se encaminha para um momento mais relax, uma aura aconchegante de musks e um leve quê amadeirado também. Não é um perfume polêmico, até porque a polêmica está mais no uso atribuído a erva do que ao aroma da erva em si. O resultado final é bem marcante e distinto, de fato sensual como se propõe a ser.

English:

I understand that most of the perfume brands avoid compositions with the marijuana note highlighted for all the pejorative aspect that is associated with the use of it. Certainly is not the case of Fresh, who in 2006 launched their Cannabis Santal which proved to be a success between the male and female audience. 2 years later, in 2008, the brand created Cannabis Rose, geared more towards the female audience but in practice very unisex as well.

The co-founder of the brand says that the goal was to create a warm and attractive composition, which in fact combines very well with the aura created. It is important to mention that there is no smoked herbal aspect or anything that can refer to the aroma of marijuana in the joint form and that the herb only contributes to strengthen the herbal and sensual aspect of the composition. The real stars here are the patchouli and the rose.


The Rose of Cannabis Rose is more carnal, very intense in the first moments, a bright and licorious aroma of rose with a kind of vintage aura. The pomegranate ends up contributing with a slightly fruity bitter touch that blends well with the nuance of bitter chocolate, cannabis and patchouli of the composition. And as the most torrid moments and the climax of Cannabis Rose pass, the composition moves towards a more relaxed moment, a cozy aura of musks and a light woody one as well. It is not a controversial perfume, even because the controversy is more in the use attributed to the herb than to the aroma of the herb itself. The end result is very striking and distinctive, indeed sensual as it purports to be.