Pesquisar este blog

1 de out de 2017

Orto Parisi Seminalis - Fragrance Review

Português (click for english version):

Primeiramente, é necessário confessar que eu detesto praticamente todos os perfumes da primeira marca de Alessandro Gualtieri, a Nasomatto. Há algo em suas primeiras composições que beira o agressivo e o insuportável e que sempre despertaram emoções negativas em mim. É curioso então que me encontre gostando de seu segundo ato, Orto Parisi. Com uma inspiração em seu avô, Alessandro Gaultieri propõe o corpo como jardim e os odores como seus cultivos. Gaultieri nesse sentido procura a prosperidade dos aromas, a carnalidade e intensidade dos mesmos e por isso propõe composições intensas, em concentração de extrato. O que não fazia sentido na Nasomatto parece plenamente realizado em Orto Parisi.

O perfumista não dá muitos detalhes sobre Seminalis, entretanto o nome e o flash de imagens que aparecem em seu site são suficientes para entender que essa composição representa perfeitamente o propósito da marca. Seminalis é um perfume de pele, só um que em vez de procurar manter uma voz polida de seus aromas não esconde a sensualidade e intensidade dos mesmos. É uma criação que explora o limite entre o tenro e o erótico.

Para os que possuem curiosidade sobre como Gaultieri atingiu isso, visto que o perfumista não divulga notas da sua composição, é possível ver uma interpretação dos principais químicos aromáticos que o compõem na página da Scent And Chemistry (https://goo.gl/kfBHJr). Em estilo de composição, em Seminalis é como se Gaultieri subvertesse os propósitos do Hug Me Accord da perfumista Sophia Grosjman, utilizando grandes doses de musks pontuados por doses pequenas de animálicos para criar um aroma carnal.

A composição como um todo evoluí como uma espécie de perfume de rastro. Seminalis apresenta nuances adocicadas na sua saída, toques aromáticos e depois ele é um grande bloco de patchouli, sândalo e musks. O sândalo é tanto floral e atalcado como bruto e seco, o patchouli se apresenta de forma mais clean e luminosa e os musks criam uma aura de aconchego e toque carnal. É interessante que o uso de Ambrettolide aqui me faça pensar no aroma de suor, efeito que em geral é obtido por meio do cominho. É um suor limpo, o aroma que fica nas roupas depois que você se exercita. Os aromas são amarrados de uma forma que Seminalis está sempre intenso e presente, mas sempre no limite entre os dois mundos. É uma forma interessante de perfumaria contemporânea e que se adequa perfeitamente ao conceito proposto.

English:

Firstly, it is necessary to confess that I detest practically all the perfumes of the first brand of Alessandro Gualtieri, Nasomatto. There is something in his early compositions bordering on the aggressive and the unbearable and that have always aroused negative emotions in me. It is curious then that I find mysekf liking his second act, Orto Parisi. With an inspiration in his grandfather, Alessandro Gaultieri proposes the body as garden and the odors as his crops. Gaultieri in this sense seeks the prosperity of the aromas, the carnality and intensity of them and therefore proposes intense compositions, in concentration of extract. What made no sense at Nasomatto seems to have been fully realized in Orto Parisi.

The perfumer does not give a lot of details about Seminalis, however the name and flash of images that appear on his website are sufficient to understand that this composition perfectly represents the purpose of the brand. Seminalis is a scent of skin, only one that instead of seeking to maintain a polished voice of its aromas does not hide the sensuality and intensity of them. It is a creation that explores the boundary between the tender and the erotic.

For those who are curious about how Gaultieri achieved this, since the perfumer does not disclose notes of its composition, it is possible to see an interpretation of the main aromatic chemicals that compose it in the page of Scent And Chemistry (https://goo.gl/kfBHJr). In composition style, in Seminalis it is as if Gaultieri subverted the purposes of the Hug Me Accord of the perfumer Sophia Grosjman, using large doses of musks punctuated by small doses of animalic to create a carnal aroma.


The composition as a whole evolves like a kind of sillage perfume. Seminalis presents sweet nuances in its output, aromatic touches and then it is a large patchouli, sandalwood and musks block. Sandalwood is both floral and raw as well as raw and dry, the patchouli presents itself in a cleaner and brighter form and the musks create an aura of warmth and carnal touch. It is interesting that the use of Ambrettolide here make me think of the sweat scent, an effect that is usually obtained by means of cumin. It's a clean sweat, the scent that stays on the clothes after you exercise. The aromas are tied in a way that Seminalis is always intense and present, but always on the border between the two worlds. It is an interesting form of contemporary perfumery that perfectly fits the proposed concept.