Pesquisar este blog

10 de nov de 2017

Maison Martin Margiela Beach Walk - Fragrance Review


Português (click for english version):

Eu diria que o sentido do olfato compartilha com sentidos como o da visão e o do paladar a capacidade de um mesmo estímulo ter diferentes interpretações em dias e momentos distintos do dia. Sentir um perfume ou aroma é muitas vezes como olhar para uma imagem e detesta-la em um momento para em outro momento sentir-se encantado com o sentido de tudo. Ou então como provar um determinado prato e não achar graça em determinado dia e em outro dia amar o sabor. Não é a imagem/aroma/sabor que mudou, e sim a interpretação que foi dada a ele.

Quando recebi o kit de perfumes da linha Replica, logo de cara teve um que se destacou negativamente para mim: Beach Walk. É pensar no nome e já ficar tenso com um aroma aquático que poderá se desenvolver. Separando ele para utilizá-lo já antevia uma péssima avaliação, visto que o aroma tinha uma cara de que seria um L'Eau d'Issey feminino em um novo nome e formato.

Mas, como dizem, as aparências enganam e ao mergulhar na terceira memória da série Réplica me sinto encantado com Beach Walk. É uma criação que quebra as expectativas a princípio ao mesmo tempo que tem uma aura condizente com a ideia de uma memória coletiva. É interessante como sentir Beach Walk me faz pensar exatamente no que ele propõe: um dia verão, um aroma ensolarado.

O ano em que estamos é 1972 e novamente estamos em território francês, Calvi. A diferença é que não estamos mais no inverno, e sim no verão e na costa marítima da França. Um cenário apropriado para retratar um dia de verão com um perfume solar que simula o aroma de uma pele salgada e ensolarada. A memória em si procura capturar esse aspecto ensolarado e brilhante reproduzindo aspectos do ambiente aquático e do aroma da pele, provavelmente perfumada pelo protetor solar.
E entendendo esses elementos é possível extrair um sentido mais amplo da memória retratada. Há um elemento aquático de fato e se você for sensível a moléculas aquáticas isso pode cegar seu nariz inicialmente da mesma forma que ficar muito tempo no sol afeta a visão. Porém, a molécula que é usada para passar o aroma aquático (transluzone) é mais refinada e coloca o perfume em um contexto mais floral e luminoso depois que passa o cheiro frutado. E da mesma forma que os olhos se ajustam com o sol o nariz se ajusta com o cheiro e curte a bela paisagem.


Se você curte perfumes de laranjeira, Beach Walk dá uma bela interpretação de uma laranjeira ensolarada em um dia de verão. É interessante como o acorde da flor é trabalhado para ter esse lado cítrico e apenas sugerir a carnalidade da flor de uma forma bronzeada, sem perder seus contornos sensuais. De fundo nota-se nuances de mel e marshmallow se misturando com um aroma floral levemente salgado e exótico, algo que me remete a protetores solares clássicos e que faz um bom elo entre a memória mais clássica e a interpretação mais moderna. Beach Walk é como uma foto vintage revitalizada e aplicada com um filtro moderno, uma mistura de um mundo analógico e um mundo digital. A ênfase em seu cheiro parece ser mais no aspecto ensolarado, privilegiando assim as notas de saída e de coração. A base porém as sustenta de uma forma que elas parecem durar muito. É um belíssimo perfume se você estiver disposto a dar uma chance a ele.

English:

I would say that the sense of smell shares with senses such as vision and taste the ability of the same stimulus to have different interpretations at different days and times of the day. Feeling a perfume or scent is often like looking at an image and loathing it in a moment for another time to feel enchanted with the sense of it all. Or how to taste a certain dish and not find grace on a certain day and another day to love the taste. It is not the image / aroma / taste that has changed, but the interpretation that was given to it.

When I received the perfume kit from the Replica line, I immediately had one that stood out negatively for me: Beach Walk. Just to think of the name and I became tense with an aquatic aroma that could develop from it. Separating it to use it already foresaw a bad evaluation, since the scent had an impression that would be a female L'Eau d'Issey in a new name and format.

But, as they say, first impressions can deceive and delving into the third memory of the Replica series I feel enchanted with Beach Walk. It is a creation that breaks expectations at first while having an aura that is consistent with the idea of ​​a collective memory. It's interesting how feel Beach Walk makes me think exactly what it proposes: a summer day, a sunny scent.

The year we are in 1972 and again we are in French territory, Calvi. The difference is that we are no longer in the winter, but in the summer and in the maritime coast of France. An appropriate setting for portraying a summer's day with a scent of sunshine that simulates the scent of salty and sunny skin. The memory itself seeks to capture this sunny, bright aspect by reproducing aspects of the aquatic environment and the scent of the skin, probably perfumed by sunscreen.
And when understanding these elements is possible to extract a broader sense of the memory portrayed. There is an aquatic element indeed and if you are sensitive to aquatic molecules this can blind your nose initially in the same way as staying too long in the sun affects vision. However, the molecule that is used to pass the aquatic aroma (transluzone) is more refined and puts the perfume in a more floral and luminous context after the fruity scent passes. And just as the eyes adjust with the sun the nose fits in with the scent and experiences the beautiful landscape.


If you like orange blossom fragrances, Beach Walk gives a beautiful interpretation of a sunny one on a summer day. It is interesting how the flower accord is worked to have this citric side and only suggest the carnality of the flower in a tanny way, without losing its sensual contours. From the background you can see nuances of honey and marshmallow mixed with a slightly salty and exotic floral scent, something that brings me to classic sunscreens and that makes a good link between the more classic memory and the more modern interpretation. Beach Walk is like a vintage photo revitalized and applied with a modern filter, a blend of an analog world and a digital world. The emphasis on their smell seems to be more on the sunny side, thus giving preference to the opening and heart notes. The basis however sustains them in a way that they seem to last a long time. It is a beautiful perfume if you are willing to give it a try.