Pesquisar este blog

7 de nov de 2017

Terre d'Hermès - Fragrance Review


Português (click for english version):

Ao escolher o perfume de hoje para usar percebi que apesar de tê-lo e conhecê-lo a muito tempo nunca me aventurei a dizer algo a seu respeito. Mas também, o que falar sobre Terre d'Hermès que provavelmente já não foi dito exaustivamente? Esse é o tipo de perfume que ganhou seu status na cultura da perfumaria de forma que seu aroma, seus aspectos técnicos e suas ocasiões de uso já foram exaustivamente cobertas. Seu legado é tal que não apenas se tornou um sucesso de vendas mas virou um template para que outros se inspirassem para tirar uma fatia de seu lucrativo mercado. E assim corre-se o perigo de se menosprezar sua importância e relevância inclusive.

Eu diria que Terre d'Hermès é um dos ápices na carreira de Ellena, um dos perfumes responsáveis pelo crescimento da popularidade da Hermès na perfumaria e um dos exemplares que permitem caracterizar o que se tornou a perfumaria masculina entre meados da década de 2000 em diante. É um daqueles momentos em que vários fatores se alinham e geram uma criação que garante seu lugar na história apesar dos inúmeros lançamentos despejados no mercado ano após ano.

A década de 2000 marcou uma guinada na transição da imagem da perfumaria da Hermès, que até esse ponto possuía uma forte aura clássica e complexa, interessante porém bem desalinhada do que acontecia no mercado. Foi um momento que a marca procurou assumir uma nova identidade, mais abstrata, fluída, delicada e persistente. Requisitos que se encaixam perfeitamente com o estilo minimalista chique que Jean Claude Ellena tinha se tornado famoso.

Apesar de Terre d'Hermès não ser o primeiro perfume de Ellena para a marca, é um onde o perfumista conseguiu colocar seu minimalismo de uma forma que seu apelo fosse quase universal. O estilo de criação de Ellena me faz pensar em uma versão masculina de Sophia Grosjman, perfumista famosa por criações carregadas em determinados sintéticos que pareciam aconchegantes, macias e muito persistentes. A diferença é que parece haver um aspecto mais intelectual e abstrato no que Ellena faz com o seu estilo minimalista e que se reflete bem aqui.

É interessante como a ideia é simples e ao mesmo tempo complexa de ser atingida. Terre d'Hermès se baseia na saturação de um único elemento - o famoso Iso E Super - contrastando com outros materiais que ajudem a criar o aroma distinto, mineral e vertical proposto pela marca. É uma forma de se atingir transparência e performance na pele sem cair no óbvio (pelo menos não quando foi criado). Para isso, Terre d'Hermès trabalha com notas cítricas que acrescentam um aspecto mais seco e amargo e que se combinam com o aroma mineral da ideia. Há um uso de pimentas que dão um toque ao mesmo tempo fresco e picante ao aroma e que ajudam a manter a complexidade da composição. E temos enfim o uso interessante do geosmin, uma molécula sintetizada por bactérias no solo após a chuva e que é responsável por criar um aspecto úmido e levemente terroso. Um uso bem leve dela dá o toque especial ao conjunto da obra e que torna Terre d'Hermès uma harmonia tão interessante de se observar.

É preciso ressaltar que há um senão em Terre d'Hermès: como muitos dos perfumes que utilizam Iso E Super, é uma criação capaz de cegar o olfato das pessoas que não conseguem senti-lo, dando assim a impressão de que seu aroma não fixa na pele. A criação perdura com uma aura amadeirada mineral e aveludada que seria muito copiada e reproduzida posteriormente em diversos perfumes. Isso por um motivo simples: ela é bem agradável, estável e não requere muito do olfato para ser entendida. E Terre d'Hermès faz isso sem abrir mão da elegância, o que é um trunfo raro de se obter em uma criação.



English:

In choosing the perfume to be worn today I realized that despite having it and knowing it a long time ago I never ventured to say something about it. But also, what to talk about Terre d'that probably has not been said exhaustively? This is the type of perfume that has gained its status in the perfumery culture so that its aroma, its technical aspects and its occasions of use have been thoroughly covered. Its legacy is such that it not only became a sales success but became a template for others to take inspiration and a slice of its lucrative market. And tris creates the risk of being underestimated its importance and relevance even.

I would say that Terre d'Hermès is one of the highlights in Ellena's career, one of the perfumes responsible for the growth of Hermès's popularity in perfumery and one of the examples that allows us to characterize what became male perfumery between the mid-2000s and onwards . It is one of those times when many factors align and create a creation that guarantees its place in history despite countless releases poured on the market year after year.

The decade of 2000 marked a turning point in the image of Hermès' perfumery, which up to that point had a strong classic and complex aura, interesting but well out of line with what was happening in the market. It was a moment when the brand sought to assume a new identity, more abstract, fluid, delicate and persistent. Requirements that fit perfectly with the chic minimalist style that Jean Claude Ellena had become famous for.

Although Terre d'Hermes is not Ellena's first perfume for the brand, it is one where the perfumer has managed to put his minimalism in a way that its appeal was almost universal. Ellena's creative style makes me think of a male version of Sophia Grosjman, a perfumer famous for creations loaded with certain synthetic ones that created cozy, soft, and very persistent auras. The difference is that there seems to be a more intellectual and abstract aspect in what Ellena does with its minimalist style and that is reflected well here.

It is interesting how the idea is simple and at the same time complex to be reached. Terre d'Hermès is based on the saturation of a single element - the famous Iso E Super - contrasting with other materials that help create the distinctive, mineral and vertical aroma proposed by the brand. It is a way to achieve transparency and performance on the skin without falling into the obvious (at least not when it was created). For this, Terre d'Hermès works with citrus notes that add a more dry and bitter aspect and that combine with the mineral aroma of the idea. There is a use of peppers that give a touch fresh and spicy to the aroma and that helps maintain the complexity of the composition. And we have the interesting use of geosmin, a molecule synthesized by bacteria in the soil after the rain and that is responsible for creating a moist and slightly earthy aroma. A very light use of it gives the special touch to the whole of the work and that makes Terre d'Hermès such an interesting harmony to observe.


It is necessary to point out that there is a snag in Terre d'Hermes: like many perfumes that use Iso E Super, it is a creation capable of blind the olfact of people who can not feel it, thus giving the impression that its aroma does not last in the skin. The creation endures with a woody, velvety aura that would be much copied and reproduced later in various perfumes. This is for a simple reason: it is very pleasant, stable and does not require much of the smell to be understood. And Terre d'Hermès does this without giving up elegance, which is a rare asset to get in a creation.