Pesquisar este blog

21 de jan de 2018

Prada Olfactories Mirages Miracle of The Rose - Review



Afirma-se com relativa frequência que é muito mais difícil compor um perfume minimalista em ingredientes pelos desafios em se acertar uma composição com poucos elementos. Porém, o fato é que acerta uma composição rica e cheia de detalhes de forma que as camadas não se atropelem e de forma que tudo pareça formar uma bela sinfonia também não é uma tarefa fácil. E me surpreende que a perfumista Daniela Andrier que é conhecida por seu estilo minimalista de composição se mostre muito mais bem sucedida e relevante ao trabalhar de forma rica e cheia de ornamentos a família oriental para o segmento Mirages da coleção Prada Olfactories.
Assim como Soleil au Zenith, Miracle of The Rose já mostra suas intenções barrocas dentro de uma temática que recentemente se tornou usada e abusada dentro da perfumaria, os perfumes com oud e rosa. O perfume propõe uma aura arquitetural, composta de camadas, um labirinto de aromas onde cada quarto possui seu cheiro. Novamente, poderia ser uma confusão de aromas potentes mas é uma harmonia marcante e bem elaborada que faz um ode a família oriental como um todo, não caindo no lugar comum de apenas expor o agarwood e a rosa.
O milagre de fato é que a rosa não se perde acompanhada de protagonistas marcantes como couro, agarwood, patchouli, ambar, mirra e especiarias. O perfil de rosa escolhido favorece que isso não aconteça também, uma rosa mais licorosa, com nuances de mel, frutas e tabaco. Um destaque na composição é o uso do açafrão, que não soa como um mero protagonista da rosa e do agarwood e que se revela rico, com o aroma de couro e a nuance dourada e brilhante/aldeídica que o açafrão natural possui.
O agarwood é trabalhado aqui em dois níveis, um mais ambarado e doce e outro mais animálico, e como a riqueza das notas de base é bem trabalhada o aroma de agarwood aqui não soa como mais do mesmo, e sim um elemento importante em uma orquestra maior. As vezes um aroma mais resinoso, quente e incensado de mirra se destaca mais que ele, dando uma aura mais espiritual a composição. Em outros momentos, um aroma sutil animálico e que remete a castoreum impulsiona o aspecto mais animálico do agarwood. E em outros momentos o aroma mais amadeirado, canforado e até mesmo limpo do patchouli sustenta o agarwood na composição.
De forma geral não costumo mencionar aspectos de performance em um perfume, mas essa é uma exceção que vale a pena ser mencionada: é um perfume poderoso, marcante, que não passa despercebido. As pessoas notam sua presença no ambiente e até mesmo o elogiam. É um trabalho inspiradíssimo de Daniela Andrier e um dos melhores se não o melhor perfume exclusivo da Prada no presente momento.