Pesquisar este blog

4 de mar de 2018

Mahogany Zanzibar - Fragrance Review

Da mesma forma que o Dolce & Gabbana Pour Homme original hoje sobrevive na incarnação do Boticário (Uomini), a versão feminina da grife italiana se mantém sob a interpretação da Mahogany. Suspeito que por questões mercadológicas e regulamentações européias mais rígidas a grife italiana se viu obrigada a tirar um perfume que se não é um sucesso de vendas certamente em seu público cativo. Mas um fenômeno interessante e que tem acontecido com alguns perfumes ao passar do tempo é que boas interpretações em território nacional tem mantido determinados perfumes vivos, o que é o caso aqui.
Elogio a Mahogany pois por mais que seus perfumes mais antigos lembrem clássicos da perfumaria internacional isso não é desculpa para traduções ruins. Tenho a impressão de que os perfumistas que a marca contratou conseguem superar limites técnicos e de custos e fazer variações que dão nova vida a melodias já conhecidas. Acho interessante também o como a marca recontextualiza o floral spicy aldeídico dando-lhe o nome de uma exótica ilha que é importante produtora de especiarias.
Zanzibar é o tipo de perfume que está mais ligado a potência dos anos 80 do que a delicadeza da década de 90 e o tipo de composição que se distanciou terrivelmente da perfumaria feminina atual de forma que hoje cairia, como muitos clássicos, em um contexto de nicho e, arrisco eu a dizer, até mesmo unissex. É uma composição com um contraste: de um lado temos um aroma floral spicy bem quente e seco que simula o aroma de flor de cravo e por outro lado temos um aroma floral meio soapy e com aldeídos conferindo aquela aura luminosa e metálica intrigante, algo que lembra ao mesmo tempo a alma de frutas cítricas (várias delas tem aldeídos na casca) ao mesmo tempo que remete a incenso. Há um fundinho de ylang, rosa e jasmim tendendo que tenta levar o perfume para uma direção mais feminina, mas que comparado com os florais atuais é bem diferente. A base novamente mostra que estamos em território clássico já que dá uma boa ênfase a um sândalo seco em meio a baunilha e musk. No conjunto da obra eu não sei dizer se é um perfume que eu usaria, mas é bem distinto e bom para quem busca algo diferente com um preço bom. Vale a pena destacar que a Mahogany como sempre se destaca pela linha completa de produtos que oferece até mesmo para seus perfumes mais acessíveis, de forma que você pode tornar a experiência de se perfumar bem completa.