Pesquisar este blog

4 de mar de 2018

O Boticario Myriad - Fragrance Review

Eu tava pensando aqui que perfumes são como pessoas, algumas quando morrem não fazem diferença nenhuma e não deixam saudades. Outras fazem diferença, mesmo que delimitada a uma pequena parte são importantes e marcantes. Assim são os perfumes, e o fato é que como as pessoas os perfumes morrem, mesmo que gostemos deles.
No caso dos perfumes, reincarnações acontecem, mas dificilmente eles voltam como eram antes. Myriad foi um dos perfumes do Boticario que sofreu esse processo de morte e reincarnação. Não entendo por qual motivo, pois um perfume que gera flankers certamente não é um perfume que seja ruim de vendas. E Myriad consegue um feito interessante, ser aquele tipo de perfume que é familiar ao mesmo tempo que distinto, marcante ao mesmo tempo que suave.
Sempre fui fã de Myriad, mesmo quando ainda não tinha conhecimentos sobre perfumes ou ousava a usar o que eu bem quisesse. Experimentando hoje, sei que esse seria um que eu teria frasco do Boticario se continuasse do jeito que é. Seu aroma é encantador, uma sinfonia que começa com um leve toque de cerejas, evolui para notas de ameixas meio doces e meio frescas e te envolve numa aura aconchegante de baunilha, musks, notas florais e especiarias. Myriad de fato tem várias nuances para um perfume que soa como um abraço quente e que nunca acaba. Por que matar um perfume assim? E por que colocá-lo em um frasco feio e como um flanker de um perfume que nada tem a ver com ele? A Morte de um perfume também deixa questões não respondidas da mesma forma que a morte de pessoas queridas.