Pesquisar este blog

22 de set de 2018

Berdoues Grand Crus Oud Al Sahraa - Avaliação/Resenha/Review


Português (click here for english):

Apesar de ter se tornado apenas nos últimos anos popular na perfumaria ocidental, o Agarwood ou Oud faz parte da tradição e ritualística dos povos árabes e orientais não apenas como perfume a ser usado mas como incenso aromático também, possuindo um significado espiritual por trás de seu aroma. Na perfumaria ocidental seu uso cresceu bastante certamente pelo seu apelo exótico, sua excelente performance e pela existência de ótimas bases sintéticas a custo acessível e que permitem ao perfumista trabalhar o conceito sob diferentes ângulos. Em Oud Al Sahraa a maison Berdoues presta sua homenagem a nobre essência buscando aliar uma estética clássica e uma interpretação moderna e minimalista e acerta em cheio com isso.

Assim como Arz El-Rab estamos diante de um perfume que mostra suas notas de base logo nos primeiros momentos e que constrói uma harmonia que vai lentamente evoluindo as facetas dessas notas. A idéia aqui é criar um Oud do Deserto como o nome diz, evidenciando um aspecto mais quente em seu aroma. Para isso, recorre-se a outra essência clássica tanto na composição de incensos como na perfumaria árabe: a mirra. Oud e Mirra formam uma bela dupla que constrói um aroma que gira ao redor das nuances de ambar que são encontradas em ambas as notas.

Esse também é um perfume que possui uma nota cítrica em sua dinâmica, porém a mandarina aqui funciona como coadjuvante, acrescentando seu lado adocicado ao Oud e Mirra e formando com a Mirra uma estrutura mais clásica sob a qual o Oud evolui. Esse é uma nota de Oud que enfatiza mais o aspecto ambarado e sugere algo do lado medicinal também, me remetendo distantemente ao clássico YSL M7. A mirra acrescenta um toque frutado interessante ao mesmo tempo que parece ser complementada com algo com baunilha, labdanum ou benjoim, criando uma sensação de uma base ambarada clássica que envolve a nota de oud e segura o perfume na pele por um bom tempo. É uma criação que parece depender mais de naturais do que sintéticos, não tendo uma aura agressiva ou de projeção quilométrica mas demonstrando uma harmonia e elegância distinta que automaticamente o destaca entre outros concorrentes. Um belo perfume que explora o máximo que pode da sua estrutura simples e direta.



English version

Although it has only become popular in Western perfumery in recent years, Agarwood or Oud is part of the ritual and tradition of the Arab and Eastern culture not only as a perfume to be used but as aromatic incense as well, possessing a spiritual significance behind its aroma. In Western perfumery its use has grown quite certainly for its exotic appeal, its excellent performance and the existence of great synthetic bases at affordable cost, allowing the perfumer to work the concept from different angles. In Oud Al Sahraa the maison Berdoues pays homage to the noble essence seeking to combine a classic aesthetic and a modern minimalist interpretation and they hit the spot.

Like Arz El-Rab, we are faced with a perfume that shows its base notes as early as the first moments and that builds a harmony slowly showing the facets of these notes. The idea here is to create a Desert Oud as the name says, evidencing a warmer aspect in its scent. For this, another classic essence is used in both the composition of incense and Arabic perfumery: myrrh. Oud and myrrh form a beautiful pair that builds an aroma  around the amber nuances that are found in both notes.


This is also a perfume that has a citrus note in its dynamics, but the mandarin here works as a coadjuvant, adding its sweet side to the Oud and myrrh and forming with the later a more classical structure under which the Oud evolves. This is an agarwood note that emphasizes more the amber aspect and suggests something of the medicinal side as well, reminding me distantly to the classic YSL M7. Myrrh adds an interesting fruity touch while it seems to be complemented with something like vanilla, labdanum or benzoin, creating a classic amber feel that wraps around the oud note and holds the scent on the skin for a long time. It is a creation that seems to depend more on natural than synthetic, not having an aggressive aura or a kilometric projection but demonstrating a distinct harmony and elegance that automatically highlights it among other competitors. A beautiful scent that explores as much as you can from its simple and direct structure.