Pesquisar este blog

23 de set de 2018

Guerlain Arsene Lupin Dandy e Arsene Lupin Voyou - Avaliação/Resenha/Review

Português (click here for english):

O Ano de 2010 marcou novamente a perfumaria masculina para a Guerlain. Certamente atenta que o público masculino é um grande consumidor de perfumaria de nicho e exclusiva a marca começou nesse ano uma transformação da sua linha Parisiennes, criando um segmento exclusivo para os homens e começando a transformação dos frascos para uma apresentação mais moderna e minimalista. Foi também o primeiro momento onde a marca criou 2 fragrâncias novas dentro dessa linha, que era até esse momento era um catálogo de reedição de criações descontinuadas e que faziam falta aos apaixonados por elas.

Inspirado no personagem ficcional francês criado por Maurice LeBlanc, a dupla Arséne Lupin Dandy e Voyou marcaria o fim da era de Jean Paul na perfumaria da Guerlain. O perfumista terminou da mesma forma que começou, criando composições sofisticadas e sedutoras para o público masculino. Dessa vez ele propõe duas faces para o mesmo personagem: um lado mais clássico, mais maduro e sofisticado (Dandy) e um lado mais jovem, mais romântico e livre (Voyou). Um deles certamente foi direcionado ao público mais clássico da marca ao passo que o outro mira na nova clientela da Guerlain.

Arséne Lupin Dandy parece ser a conclusão das dinâmicas aromáticas que Jean Paul Guerlain começou a estudar em seu perfume Coriolan e desenvolveu posteriormente em Chamade Pour Homme. Dandy explora bem as possibilidades do acorde chypre e é de todos o que soa mais intenso e mais complexo. Seu aroma me parece transitar entre algo vintage, talvez pelo aroma de violeta, e algo mais moderno, certamente pela base amadeirada de toque minerais. Dandy abre com um aroma cítrico sofisticado onde já é possível perceber o aroma de couro, um toque mais aspero e emborrachado e que remete aos perfumes mais clássicos. O aroma de violeta surge logo em seguida, adocicado e levemente powdery ao mesmo tempo que tem nuances frescas, quase mentoladas e verdes. As especiarias criam uma ponte entre os cítricos e o aroma floral e criam um toque levemente frutado e fresco a ideia. O aroma chypre é modernizado ao mesmo tempo que tem um toque sofisticado retrô, combinando nuances de patchouli terroso e musgo com um aroma amadeirado mais seco e que remete a vetiver. Infelizmente a sofisticação de Dandy não foi o suficiente para mantê-lo em linha, sendo descontinuado recentemente.


Já a versão mais jovem, Voyou, parece ter agradado mais ao público e permanece em catálogo até hoje. Talvez ele não tenha o apelo mais clássico aos fãs mais fieis da marca, entretanto eu diria que Voyou possui um charme mais despretensioso e mais fácil de ser apreciado. Jean Paul Guerlain parece trabalhar notas similares entre os dois perfumes, entretanto sobre perspectivas diferentes. A ideia aqui é criar um perfume mais amadeirado com um toque romântico e sofisticado de rosas e um aroma cítrico e especiado mais moderno, sem nuances chypres ou fougéres. Os cítricos ganham um toque meio amargo e fresco ao passo que há um aspecto apimentado mais frutado a princípio e mais seco conforme o perfume se desenvolve para as nuances sedosas e aveludadas de rosas. A base possui uma doçura almiscarada que contrasta com um aroma bem seco e amadeirado de sândalo. Ainda que soa moderno, certamente não é um perfume comum ou linear e para mim é como se o perfumista refletisse em como adaptar sua forma de construção mais clássica para novos tempos. É uma despedida que é feita com toda a qualidade e cuidado que ele sempre dedicou ao universo masculino de perfumaria.

English version

The Year of 2010 marked again the masculine perfumery for Guerlain. Certainly aware that the male audience is a major consumer of niche and exclusive perfumery the brand began this year a transformation of its Parisiennes line, creating a segment exclusively for men and beginning the transformation of the bottles for a more modern and minimalist presentation. It was also the first moment where the brand created 2 new fragrances within this line, which until then was a catalog of reissue of discontinued creations that were needed by those in love with them.

Inspired by the fictional French character created by Maurice LeBlanc, the duo Arséne Lupine Dandy and Voyou would mark the end of the era of Jean Paul in Guerlain's perfumery. The perfumer finished the same way it began, creating sophisticated and seductive compositions for the male audience. This time he proposes two faces for the same character: a more classic, mature and sophisticated side (Dandy) and a younger, more romantic and free one (Voyou). One of them was certainly aimed at the brand's more classic audience while the other looked at Guerlain's new clientele.

Arséne Lupine Dandy seems to be the conclusion of the aromatic dynamics that Jean Paul Guerlain began to study in his Coriolan perfume and later developed into Chamade Pour Homme. Dandy explores well the possibilities of the chypre accord and is from the three  what sounds more intense and more complex. Its aroma seems to me to pass between something vintage, perhaps by the aroma of violet, and something more modern, certainly by the woody mineral base. Dandy opens with a sophisticated citrus aroma where you can already perceive the aroma of leather, a little bit rough and rubbery and that is a nod to classic perfumes. The aroma of violet comes soon after, sweet and slightly powdery while it has fresh, almost mentholic and green nuances. The spices create a bridge between the citrus and the floral aroma and create a slightly fruity and fresh touch the idea. The chypre aroma is modernized while having a sophisticated retro touch, combining nuances of earthy patchouli and moss with a drier, woody scent reminiscent of vetiver. Unfortunately Dandy's sophistication was not enough to keep it in line, being discontinued recently.


Already the younger version, Voyou, seems to have pleased the public more and remains in catalog until today. It may not have the most classic appeal to the most loyal fans of the brand, however I would say that Voyou has a charm more unpretentious and easier to be appreciated. Jean Paul Guerlain seems to work similar notes between the two perfumes, however on different perspectives. The idea here is to create a more woody scent with a romantic and sophisticated touch of roses and a more modern citrus and spice scent without chypres or fougéres nuances. The citrus gets a bit bitter and fresh touch while there is a spicy aspect more fruity at first and drier as the perfume develops for the silky and velvety nuances of roses. The base has a musky sweetness that contrasts with a very dry and woody aroma of sandalwood. Although it sounds modern, it certainly is not a common or linear perfume and to me it is as if the perfumer reflects on how to adapt his more classic form of construction to new times. It is a farewell that is made with all the quality and care that he has always dedicated to the masculine universe of perfumery.