Pesquisar este blog

23 de set de 2018

Guerlain Mouchoir de Monsieur - Avaliação/Resenha/Review


Português (click here for english):

Mouchoir de Monsieur foi um dos primeiros se não o primeiro perfume masculino criado pela Guerlain. Porém, até a década de 80 ele era uma criação exclusiva, não disponível para o público geral. Criado inicialmente em 1904 como parte de um presente no casamento de um amigo, ele se tornou exclusivo do rei da espanha Juan Carlos e do ator Jean-Claude Brialy até que no final da década de 80 passou a ser disponível para vendal.

É curioso que a marca tenha segurado o perfume por tantos anos para lançá-lo justamente na década de 80. Certamente Mouchoir de Monsieur foi em seu lançamento o que ele é hoje, um perfume de nicho no sentido mais estrito da palavra. Seu aroma sofisticado, complexo e não tão gritante simplesmente não casa com a estética da década de 80, mas é perfeitamente compatível com o começo da década de ouro da perfumaria.

De certa forma, Mouchoir de Monsieur é como se fosse um estudo de Jacques Guerlain em relação ao perfume criado por seu tio Aimé Guerlain, Jicky. Ao mesmo tempo, é como se Jacques Guerlain estivesse desenvolvendo aqui uma assinatura olfativa, algo que marcaria claramente os perfumes lançados por ele e a estética da marca posteriormente. Assim, Mouchoir de Monsieur é como uma criação entre eras, entre o início da abstração de Jicky e o impressionismo romântico de L'Heure Bleue.


De Jicky, Mouchoir de Monsieur parece herdar a dinâmica fougére oriental, principalmente o contraste entre lavanda-baunilha-civet. De L'Heure Bleue, Mouchoir de Monsieur parece adiantar as nuances de amêndoas, iris, neroli, heliotropo e baunilha que se tornariam recorrentes na perfumaria da Guerlain. Como um perfume masculino, vejo que Mouchoir de Monsieur põe mais ênfase no aspecto cítrico, com mais bergamota e algo que me remete a limão. A civeta acaba ficando menos evidente, talvez pelo toque de cravo e canela que impõe um aspecto especiado sofisticado no momento que o aroma animálico dela se tornaria mais evidente na saída. Depois que começa a evoluir, Mouchoir de Monsieur se torna uma aquarela de notas, algo característico do estilo do perfumista. Temos nuances de iris, amêndoas, baunilha, toque amadeirados de sândalo e toques florais cítricos de neroli. Há os que sentem também os aromas mais florais do jasmim, rosa e tuberosa, mas para mim eles não se revelaram até o presente momento. Isso acontece bastante com perfumes clássicos dessa época - é como se eles guardassem segredos que do nada nos são revelados em seus aromas. Assim como Jicky, Mouchoir de Monsieur é um perfume delicado em aroma - principalmente dado que sua versão original, em concentração parfum, não pode mais ser feita por restrições contemporâneas. Isso não impede, entretanto, que se aplique generosamente seu aroma e que se utilize na roupa para segurar sua sofisticação por mais tempo.



Mouchoir de Monsieur was one of the earliest if not the first men's perfume created by Guerlain. But until the 1980s it was an exclusive creation, not available to the general public. Originally created in 1904 as part of a gift at a friend's wedding, it became exclusive to the King of Spain Juan Carlos and actor Jean-Claude Brialy until in the late 1980s it became available for public's sale.

It is curious that the brand has held the perfume for so many years to launch it precisely in the 80's. Certainly Mouchoir de Monsieur was in its public launch what it is today, a niche scent in the strictest sense of the word. Its sophisticated, complex and not-so-glaring aroma simply does not match the aesthetics of the 80's, but is perfectly compatible with the beginning of the golden decade of perfumery.

In a way, Mouchoir de Monsieur is as if it were a study of Jacques Guerlain in relation to the perfume created by his uncle Aimé Guerlain, Jicky. At the same time, it is as if Jacques Guerlain was developing here an olfactory signature, something that would clearly mark the perfumes he launched and the aesthetics of the brand later. Thus, Mouchoir de Monsieur is like a creation between ages, between the beginning of the abstraction of Jicky and the romantic impressionism of L'Heure Bleue.


From Jicky, Mouchoir de Monsieur seems to inherit the oriental fougere dynamics, especially the contrast between lavender-vanilla-civet. From L'Heure Bleue, Mouchoir de Monsieur seems to advance the nuances of almonds, orris, neroli, heliotrope and vanilla that would become recurrent in Guerlain's perfumery. As a masculine scent, I see that Mouchoir de Monsieur puts more emphasis on the citrus aspect, with more bergamot and something that brings me to lemon. The civet becomes less obvious, perhaps by the touch of clove and cinnamon that imposes a sophisticated spicy impresion at the moment that the animalic aroma would become more evident in the opening. After it begins to evolve, Mouchoir de Monsieur becomes a watercolor of notes, something characteristic of the style of the perfumer. We have nuances of orris, almonds, vanilla,a  woody touch of sandalwood and citrus floral touches of neroli. There are those who also feel the most floral aromas of jasmine, rose and tuberose, but for me they have not revealed themselves until the present moment. This is quite the case with classic perfumes of that time - it is as if they kept secrets that suddenly are revealed to us in their scents. Like Jicky, Mouchoir de Monsieur is a delicate fragrabce - especially since its original version, in parfum concentration, can no longer be made by modern IFRA/UE restrictions. This does not, however, prevent the generous use of its aroma and use it in clothing to insure its sophistication last longer.