Pesquisar este blog

21 de set de 2018

Natura Kriska Shock - Avaliação/Resenha/Review



Eu diria que a nova fase gourmand de perfumaria da Natura pode ser resumida com o ditado: "Antes tarde do que nunca". Por pelo menos 10 anos a empresa resistiu em incorporar ao seu portfólio de perfumaria e à sua assinatura olfativa elementos que combinassem a doçura da baunilha, o caramelo e uma versão mais açúcarada das frutas, como se a marca fosse superior a isso, culta demais para se render às tendências do mercado e ao gosto da brasileira. Enquanto isso, sua principal concorrente, o Boticário, aderiu sem pudor aos aromas doces com o lançamento do estrondoso sucesso de vendas da marca, Egeo Dolce, que abriria a porta para outros perfumes gourmands dentro da marca (coffe woman, por exemplo).

Curiosamente, em 2017 isso se inverteu e enquanto a casa de perfumaria do Brasil resolveu de fato ouvir o que a brasileira queria a Boticário resolveu que a Brasileira queria perfume floral águado e sem graça, justamente o tipo de perfumaria que a Natura vinha investindo sem sucesso nos últimos anos. Acho que é apropriado então que justamente nesse momento a empresa lance Kriska Shock, cujo o maior fator de choque é exatamente a inspiração descarada no estilo de gourmand que foi um sucesso com sua concorrente.

Kriska Shock veio, mesmo que tardiamente, para competir diretamente com Egeo Dolce, entregando um gourmand que é basicamente baunilha, caramelo, algodão doce e frutas. A construção do aroma frutal acaba produzindo justamente a sinestesia esperada com o rosa choque com o qual a marca brinca no nome, produzindo uma nuvem macia e fofa de algodão açúcarado, framboesa e toques de morando. A combinação com a baunilha adocicada cria a ilusão do aroma do picolé frutare da Kibon, porém a doçura do caramelo acaba tomando conta e diminuindo a cremosidade do perfume, tanto um toque gourmand mais "torrado". Um ponto negativo de Shock é sua linearidade, em um perfume que rapidamente atinge o volume bem doce e permanece lá do começo ao fim. Ainda sim, é uma criação que surpreende, não pelo aroma em si, mas justamente por quem a está lançando e em que momento isso acontece. A Natura de fato não é mais a mesma, e isso é um Shock positivo.