Pesquisar este blog

24 de set de 2018

Parfums de Marly Herod - Avaliação/Resenha/Review

Português (click here for english):

A inspiração para a criação de Herod não poderia ter sido melhor. Herod ou King Herod foi o nome de um cavalo garanhão que ficou bem conhecido no século 18 como um cavalo vencedor de corridas de curta distância. De todos os perfumes da marca certamente Herod é um dos vencedores também com um aroma de mel e tabaco que certamente agrada a muitos.

A técnica de criação do aroma é similar a de outros perfumes da marca, onde similaridade é preferida a originalidade de forma que seu aroma certamente remete a outros. Mas assim como Pegasus, Herod dá um jeito de combinar aromas e encontrar uma identidade sua sem parecer uma cópia explícita de algo.

O aroma na pele parece oscilar sempre entre 2 criações: o aroma spicy, quente e adocicado/ambarado de Ambre Narguile e um aroma de mel e tabaco que remete ao tobacco vanille. Herod entretanto não é ambarado demais nem frutado demais para que seja muito Ambre Narguile e nem é doce demais ou tem tabaco demais para que seja igual tobacco vanille.

O que cria um diferencial no perfume é um leve aroma animálico de castoreum que é um toque legal na saída, fazendo uma ligação com os cavalos. Na saída o aroma frutado e doce com o lado animálico remete mais a um Ambre Narguile ousado, com a segunda fase de tabaco, mel e cravo remetendo mais ao Tobacco Vanille. Por fim, uma base amadeirada mais seca e algo que remete a aroma de chá fecha o perfume de uma maneira diferente do que se esperaria. Um aroma campeão, uma mistura genética que escolhe bem o ponto onde parar da semelhança com as suas matrizes de cruza.

English version

The inspiration for Herod's creation could not have been better. Herod or King Herod was the name of a stallion horse that became well known in the 18th century as a horse-winning short-distance race. Of all the perfumes of the brand certainly Herod is one of the winners, one with an aroma of honey and tobacco that certainly appeals to many.

The technique of creating the aroma is similar to other perfumes of the brand, where similarity is preferred over originality so that its aroma certainly reminds you of others. But like Pegasus, Herod manages to combine scents and find an identity of  it without seeming to be an explicit copy of something.

The aroma in the skin always seems to oscillate between two creations: Amber Narguile's spicy, warm and sweet / amber aroma and a honey and tobacco aroma that is reminiscent of tobacco vanille. Herod however is not too much amber or fruity to be too Ambre Narguile and neither is too sweet or has too much tobacco to equal tobacco vanille.


What creates a differential in the perfume is a faint animalic aroma of castoreum which is a cool touch on the opening, making a connection with the horses. At the first moments the fruity and sweet aroma with the animalic side refers more to a bolder Ambre Narguile, with the second phase of tobacco, honey and clove referring more to Tobacco Vanille. Finally, a drier woody base  and something that is like the aroma of tea closes the perfume in a different way than would be expected. A champion scent, a genetic blend that chooses well where to stop the resemblance to its crossbreed origins.