Pesquisar este blog

2 de dez de 2018

Xerjoff Coffee Break Golden Moka - Avaliação/Resenha/Review

Português (scroll down for english version):

Ainda que o universo olfativo do café seja muito rico a sua temática até recentemente era pouco explorada. O processo de torra do café produz reações químicas que geram inúmeras nuances ao seu aroma. E o próprio processo de consumo do café é uma experiência olfativa, já que seu aroma quente e torrado é muito prazeroso. Ainda sim, trabalhar o aroma do café dentro de uma composição não é uma tarefa fácil: seu cheiro apesar de complexo tem que ser lidado de forma que não pareça que você derramou café em si e também evite que ele suma dentro da composição. Considerando que o foco da coleção nova da Xerjoff é justamente o café, esperava que Golden Moka seria capaz de enfrentar esse desafio.
A marca não dá muitos detalhes de qual é o seu conceito ou proposta aqui de forma que só é possível avaliar do ponto de vista de como o café se comporta dentro da composição. Eu diria que o medo de sobrecarregar na nota de café tonra Golden Moka um perfume seguro demais e faz com que o café não seja o grande protagonista e sim um elemento importante entre todos os outros na composição. A ideia aqui me parece ser atingir a harmonia entre elementos cítricos, especiados, gourmands e amadeirados.
Golden Moka começa com um suculento aroma cítrico, como se você tivesse acabado de espremer um limão. Logo surge um toque gourmand que a princípio parece que ficará dominante e açúcarado em demasia mas que em breve se acomoda junto ao aroma cítrico, dando espaço para um aroma especiado que fica entre um lado mais fresco e um lado mais quente das especiarias. O café apesar de protagonista do conceito não é evidente logo de cara, é necessário procurar seu cheiro quente e torrado na pele. Ele é acompanhado de uma base amadadeirada bem equilibrado e por toques gourmands cremosos.
A minha impressão geral com relação a Golden Moka é que seu perfume seria o que a Boticário faria na família coffee caso o preço da fórmula fosse muito maior e a Boticário se posicionasse no mercado de nicho ou exclusivo. É uma ideia calibrada para um apelo comercial massificado e que ganha orçamento mais exclusivo. Se isso por um lado lhe garante harmonia e perfeição lhe rouba identidade e ousadia e como um perfume de café desaponta por não oferecer mais do protagonista principal.

English:

Although the olfactory universe of coffee is very rich, its theme until recently was little explored. The coffee roasting process produces chemical reactions that generate numerous nuances to its aroma. And the very process of consuming coffee is an olfactory experience, since its warm and roasted aroma is very pleasurable. Still, working the aroma of coffee inside a composition is not an easy task: its smell though complex has to be handled in a way that does not make you feel you have spilled coffee on yourself and also prevents you have to avoid it disappearing inside the composition. Considering that the focus of the new Xerjoff collection is just coffee, I hoped that Golden Moka would be able to meet this challenge.

The brand does not give many details of what its concept or proposal is here so that it is only possible to evaluate from the point of view of how coffee behaves within the composition. I would say that the fear of overloading on the coffee note makes Golden Moka too safe and turns the coffee not the great protagonist but an important element among all the others in the composition. The idea here seems to me to be to achieve harmony between citrus, spices, gourmands and woody elements.

Golden Moka begins with a juicy citrus scent, as if you had just squeezed a lemon. Soon a gourmand touch appears that at first seems it will be dominant and sugared but soon accommodates next to the citric aroma, giving space for a spicy aroma that sits between a fresher side and a hotter side of the spices. The coffee although protagonist of the concept is not obvious right away, it is necessary to seek its hot and roasted scent on the skin. It is accompanied by a well-balanced, sweet-smelling base and creamy gourmands.


My overall impression with regard to Golden Moka is that its perfume would be what the brazillian brand Boticario would do in their coffee fragrance family if the price of the formula were much higher and the brand positioned itself in the niche or exclusive market. It is a calibrated idea for a mass commercial appeal that earns a more exclusive budget. If this on the one hand guarantees harmony and perfection robs it of identity and audacity and as a coffee scent disappoints for not offering more of the main protagonist.