31 de mai de 2019

Prada Luna Rossa Black - Avaliação/Resenha/Review


Conceito: 2 Olfativo: 4 Técnico: 3.5 Apresentação: 4.5
Nota Final: 3.5 Nota Faixa: 3.5
Faixa de Preço: 3 - 300 até 600 reais

De certa forma a linha Luna Rossa é a aposta da Prada no segmento de perfumaria esportiva, uma forma de fazer algo despojado, fácil de usar e com propósito de manter a elegância da marca. Certamente foi uma aposta certeira considerando a quantidade de flankers lançados. Luna Rossa Black, de 2018, vem após as versões Extreme (2013), Sport (2015), Eau Sport (2016) e Carbon (2017). Talvez pelo nome e pela cor do frasco havia uma expectativa de que Black seria um sucessor do flanker Extreme, uma excelente versão do tradicional mas que infelizmente foi descontinuada. Essa expectativa, porém, leva a frustrações dado que não é isso que é entregue.

Do ponto de vista do conceito proposto Luna Rossa Black é regular apenas, uma proposta muito rala que parece ter sido obtida de um gerador aleatório de palavras. É curioso ver um perfume polido e seguro ser descrito como um centro cheio de vida, possibilidades e perigos, algo que certamente é uma tentativa de trazer o espírito esportivo da linha. A forma como as notas são descritas na página da marca é algo meio bizarro e que não vale a pena ser explorado. O perfume acaba se sustentando apesar dessa conceitualização ruim.

Do ponto de vista olfativo a fragrância proposta se afasta razoavelmente da família Luna Rossa e soa como uma reinterpretação mais segura do aroma oriental proposto em Bvlgari Black. Suaviza-se o aspecto emborrachado da composição para colocá-lo em segundo plano e o perfume ganha algo mais dinâmico, incorporando uma rápida saída cítrica que conduz a um aroma amendoado e com aspectos de grama cortada da tonka. Há um lado levemente verde e que me faz pensar em seiva de planta, mas que fica mais como sugerido do que evidente.

Apesar do perfume prometer uma base amadeirada ambarada na prática ele finaliza com bastante musk e uma baunilha que dá uma cremosidade sutil a composição. A maneira como a base é feita acaba prejudicando o aspecto técnico, já que o perfume tem uma aura mais intimista e que acaba contradizendo o nome black. Certamente dependendo da capacidade do indivíduo de perceber os musks presentes aqui o perfume parecerá que some depois de algumas horas na pele.

É de maneira geral uma fragrância bem estruturada que homenageia um clássico moderno porém com um conceito ruim e um aroma muito seguro. Não se destaca como algo marcante da mesma maneira que a versão Extreme, mas talvez o objetivo tenha sido justamente esse, oferecer algo fácil e que venda.