7 de jul. de 2019

Areej Le Dore Flux de Fleur, Inverno Russo, Atlantic Ambergris



De tempos em tempos surge uma marca que encanta o público como o que fez recentemente a Areej Le Dore. Isso acontece principalmente pois acostumados à perfumaria fácil, limpa e sintética as pessoas acabam se surpreendendo e excitando com criações que sabem usar materiais naturais, raros e de um perfil olfativo exótico. Areej Le Dore é uma marca que vai nessa direção e acaba achando um meio do caminho entre os aspectos positivos e negativos da perfumaria natural.

Flux de Fleur, Inverno Russo e Atlantic Ambergris certamente são de riqueza inquestionável do ponto de vista olfativo e natural, mas não conseguem escapar como ponto negativo da aura de perfume natural. Independente da excelente qualidade que seus musks, resinas ambergris possuam para quem já conhece esse estilo de perfumaria tem aquela sensação de um dejá-vu olfativo, de um certo aroma ambarado "marrom", um aroma seco, que remete a própolis e mel.Nesse aspecto há sempre o risco de que o perfume pareça mais algo sólido e criativo pelo trabalho da natureza e não do perfumista em si.

Mas é aí que se destaca o aspecto positivo da marca, que apesar das limitações do estilo de perfumaria é capaz de usar de fato a riqueza que tem em mãos para minimizar isso. Talvez consciente da natureza limitada/escassa, cada Areej Le Dore é feito para agradar a poucos e explorar caminhos olfativos pouco conhecidos e populares. Assim, por mais que os 3 perfumes pareçam não escapar da base comum e aconchegante eles controlam muito bem o que dizem até chegar lá, de maneira bem distinta.

Inverno Russo me faz pensar em uma espécie de couro russo que exalta o aspecto defumado da bétula retificada e  o complementa com outras madeiras secas e o contrasta com flores sensuais e um aroma dourado de mel.Atlantic Ambergris é um ode multifacetado a um ambergris de altíssima qualidade, harmônico no aspecto salino e animálico e complementado por um buquê floral levemente frutado com um aroma de couro e flores oleosas que me remete a ambergris. Por fim Flux de Fleurs cria por cima de uma base ambar e musk um narcótico aroma floral canforado que parece explorar esse lado da tuberosa e fazer o contraste com outros flores brancas e amarelas em uma sintonia intensa e compacta de flores. Os 3 evoluem de maneira lenta na pele e apesar de não terem uma grande projeção também não são fragrâncias discretas ou delicadas. É uma perfumaria de luxo para poucos e que consciente disso tenta dar o seu melhor a esses.