29 de set de 2019

Panorama Parfums de Marly


Ano de criação: 2009
Posicionamento: Nicho
Faixa de Preço: 200-350 dólares

Fundada no  fim da década passada, a Parfums de Marly é um bom exemplo de um dos segmentos de perfumaria de nicho que mais cresceu na última década e um que gera opiniões polarizantes entre o público geral e o público mais exigente da perfumaria. Centrada em um conceito que busca homenagear os cavalos do Rei Luís XV e o castelo onde eles moravam (Castelo de Marly), a Parfums de Marly prioriza a experiência em favor da consistência e a familiaridade em favor da singularidade. A marca mostra que com um posicionamento correto de preço, distribuição e propaganda pelas mídias sociais uma marca desconhecida pode se tornar amada e procurada a ponto de gerar discussões acalouradas com relação as suas fragrâncias, tanto de quem as odeia como de quem as ama.

Sendo justo, porém, ela é apenas um dos players em um mercado que de maneira geral tem se comportado assim e numa seara de marcas hoje até ser odiado é melhor do que ser ignorado e esquecido entre os concorrentes. A marca é bem pragmática e em seus melhores perfumes é capaz de aliar aromas conhecidos a uma boa execução dos mesmos. Quando se analisa o custo benefício considerando-se o preço por ml de seus perfumes a casa se torna razoável e até mesmo próxima em preço da perfumaria comercial exclusiva. Há, porém, perfumes dentro do que é oferecido pela casa que beiram o cínico entre o preço que é cobrado e o que é entregue.

Rápidas descrições ordenando do melhor para o pior

1. Akaster - um que personifica bem a linhagem de cavalos árabes de corrida, Akaster é um dos melhores da marca ainda que não seja um dos mais conhecidos. Uma bela rosa em um excelente equilíbrio com agarwood e um leve toque de mel. O acréscimo do cardamomo dá um aspecto fresco distinto à composição.

2. Oajan - esse é um dos casos onde a marca pega uma ideia conhecida e consegue trazer com melhor performance e custo benefício. Oajan é uma boa melhoria do mesmo aroma doce, quente e especiado do Hermessence Ambre Narguile, porém com um custo benefício melhor e com um aroma menos minimalista.

3. Layton - um dos queridinhos do público e certamente um dos que impulsionou a fama da casa, Layton é um que a marca não se dá muito trabalho de explicar a inspiração mas oferece um perfume que é como uma seleção genética bem sucedida de ideias comerciais, impulsionada para soar luxuosa. Um tabaco sofisticado com um aspecto frutado bem feito e um aroma gourmand cremoso sutil que parece ir e vir de foco.

4. Hamdani - de todos os perfumes da marca Hamdani é o que serve para silenciar os detratores de que a Marly só oferece criações comerciais e inspiradas em outros. Personificando um cavalo de origem árabe, Hamdani é bruto e para poucos: um aroma animálico e de oud se mistura a um couro emborrachado e defumado de uma maneira capaz de transmitir um aspecto mais primitivo e selvagem.

5. Pegasus - da mesma maneira que Layton, Pegasus é um dos mais famosos da marca e um que é um híbrido de outros perfumes, uma combinação que dá certo onde tinha tudo para dar errado. Um cavalo híbrido do gourmand amendoado do Hypnotic Poison com a lavanda floral do Amouage Reflection e a lavanda mais fougere do Le Male, conseguindo soar como um mix distinto dos 3.

6. Carlisle - inspirado em uma corrida de cavalos em vez de uma raça específica de cavalos Carlisle é um perfume que promete uma temática de sândalo porém entrega algo mais complexo, um híbrido do couro spicy levemente animálico do Tom Ford Noir Extreme e o aroma ambarado spicy do Ambre Narguile. O açafrão trabalhado aqui acaba tornando tudo mais interessante e compensa as inspirações explícitas.

7. Herod - certamente alguém dentro da marca gosta muito do perfume Ambre Narguile pois Herod é o terceiro a citar indiretamente essa criação. Seu aroma é outro cavalo híbrido de dois perfumes vencedores, o outro sendo o aroma de tabaco, mel e baunilha do clássico Tom Ford Tobacco Vanille. Não é ruim mas há criações mais interessantes.

8. Delina - um dos poucos femininos em uma marca mais direcionada para o público masculino Delina é um dos poucos da marca que apesar de ir numa direção mais comercial não parece inspirado em nada. Um aroma frutado de líchia é muito bem executado com uma rosa aveludada, um toque frutado meio ardido de ruibarbo e uma base gourmand aconchegante.

9. Layton Exclusif - nem um pouco exclusif e uma versão desnecessária do Layton. A adição do café, do caramelo e do tabaco só torna explícito a inspiração indireta no DNA da família Amen de Thierry Mugler. Certamente é uma versão mais intense do Layton, mas ao melhorar a performance não acrescenta nada que justifique sua existência.

10. Byerley - outro momento onde a cada não faz questão nenhuma de explicar a inspiração. Byerley parece existir apenas para preencher uma lacuna de perfume de vetiver e apesar de agradável não entrega nada que realmente brilhe os olhos ou se destaque em relação aos outros.

11. Darley - o que uma raça da cavalo puro sangue árabe tem a ver com uma cópia de luxo do Le Male? Eu não sei, mas aparentemente isso faz sentido para a marca. É uma lavanda cara e desnecessária.

12. Percival - esse é um exemplo de como fazer uma perfumaria explicitamente mercenária. Cobre 300 dólares por um perfume que parece uma mistura tosca, agressiva e artificial do Allure Homme Blanche, Abercrombie Fierce e Invictus. É um perfume que se esforça bastante em ser ruim e consegue atingir seu objetivo.