29 de set de 2019

Santi Burgas Aroma de Hormigueiro - Avaliação/Resenha/Review


Conceito: 10
Olfativo: 10
Performance: 10
Nota Final: 10

Composição Nota:
25% Conceito, 50% Olfativo, 25% Diana Técnico

Preço Oficial: 120 euros 100ml

Categoria: Nicho

É interessante que somente após 10 anos de existência de sua marca Santiago Burgas tenha finalmente atingido a sua missão como uma perfumaria autoral, criativa e de excelência. Mas talvez seja parte do próprio animal que o diretor artístico e perfumista escolheu para si mesmo: a formiga simbolisa um trabalho que é feito em cooperação e que produz seus frutos com o tempo, paciência e esforço. É um simbolismo de força capaz de mover obstáculos enormes com o tempo - e certamente um grande obstáculo da perfumaria como um todo hoje é permanecer relevante, criativo e atraente para o público. Aroma de Hormigueiro é capaz de entregar isso de uma maneira muito sólida, junto com a trilogia de águas primais da qual ele faz parte.

Chega a ser curioso/intrigante que Santiago Burgas pareça ter finalmente encontrado sua liberdade criativa ao homenagear indiretamente as estruturas primais da perfumaria moderna, como se ao dominar e seguir as regras já criadas sua marca fosse capaz de transgredi-las indiretamente. Aroma de Hormigueiro é subversivo de uma maneira bem sutil, já que ao contar a narrativa de um aroma do formigueiro a marca passa debaixo do nariz do consumidor um chypre floral da década de 70 de maneira que ele soe moderno e contemporâneo. Isso é uma característica dos clássicos, uma estrutura atemporal muitas vezes precisa apenas de atualizações em sua dinâmica e novas histórias/contextos para que volte a ser interessante e inovadora - uma inovação evolutiva que tem tanto valor quanto uma disruptiva.

Há uma ideia bem inteligente aqui para passar as possíveis restrições de criar uma estrutura chypre com limitações no uso do musgo de carvalho - a utilização do aroma mais úmido e terroso do geosmin casa feito uma luva com o musgo de carvalho e o patchouli. A troca do ládano pelo mastic é capaz de trazer um aspecto mais mineral e menos pesado a ideia, reforçando um certo aspecto úmido e terroso que convém muito bem a ideia do formigueiro. Por cima disso é construído um interessante aroma floral verde que remete a uma reinvenção de clássicos como Calandre, Coriandre e Rive Gauche, com um aroma de rosas escondido entre as nuances de gálbano, musgo e alga. É uma maneira de distrair o nariz do consumidor para que ele consuma uma ideia clássica sem sequer dar conta disso.

É interessante que a coleção A.N.T pareça cobrir 3 bases da perfumaria clássica - A representa o chypre, N o cítrico e T o fougere/amadeirado. Aqui Santiago finalmente consegue o que pretendia em sua primeira coleção - criar perfumes que como formigas tem uma interconectividade, mas diferente de sua primeira coleção cada um dos integrantes faz sentido entre si e conta uma história mais completa e com sentido quando olhados juntos. A trilogia das Primal Waters te leva a redescobrir a beleza/refinamento/complexidade das estruturas clássicas e foge do tédio e limitação da perfumaria de nicho que foca na excelência dos materiais ou no luxo como um delírio de ascensão social consumista. Talvez o futuro da perfumaria de nicho ou até mesmo da perfumaria como um todo seja o de resgatar a essência e propósito da perfumaria do passado e Aroma de Hormigueiro mostra um caminho de como se fazer isso.