29 de set. de 2019

Santi Burgas Miss Betty Vair - Avaliação/Resenha/Review


Conceito: 6
Olfativo: 6
Performance: 9

Nota Final: 6,8

Composição Nota:

25% Conceito, 50% Olfativo, 25% Técnico

Preço Oficial: 145 euros 100ml

Categoria: Nicho

Quando se propõe uma coleção livre de restrições artísticas e puramente criativas como Santiago Burgas faz na White Collection há o risco de não ser bem compreendido na mensagem que se é proposta ou de ser incapaz de atingir o pleno potencial de uma ideia. Há um limite tênue entre o brilhante e o bizarro, entre o confuso e o complexo e eu tenho a impressão de que o maior problema de Miss Betty Vair é justamente correr esse risco.

Quando se lê o conceito de Miss Betty Vair não se fica claro qual é o propósito do perfume, mas a impressão que tenho é que o objetivo aqui é transpor um universo puramente masculino, das madeiras e das raízes, para uma estética feminina. Miss Betty Vair é inclusive uma brincadeira com a sonoridade da palavra Vetiver, onde pronunciado rapidamente ele se torna Miss Vetiver. Porém, não há uma harmonia ou direção clara que essa Miss Vetiver pretende seguir e é como você tivesse um perfume em uma crise de personalidade que não sabe se é masculino ou feminino, vintage ou moderno, comercial ou exclusivo. E esse caos/liberdade faz com que sua mensagem se perca e não seja bem transmitida.

Essa confusão conceitual para mim reflete olfativamente e Miss Betty Vair apesar de ser feito com materiais excelentes parece uma colisão entre ideias distintas. Há momentos que seu aroma te faz pensar em um musk animálico, em outros momentos parece um vetiver comercial e em outros momentos há um floral verde que me faz pensar em um chá de camomila e jasmim. Na tentativa de propor um perfume feminino de vetiver que explore ideias diferentes Miss Betty Vair além de atirar em várias direções parece indeciso de qual caminho seguir. No fim das contas seu aroma acaba evoluindo para um aroma amadeirado confortável, algo que explora o aspecto de madeira cortada do vetiver e o combina a um aroma que remete a sândalo e cedro. Nesse momento, Miss Betty Vair parece se decidir por um caminho mais tradicional, como se vencido pelas regras existentes na própria ideia.

Pode se dizer que pelo menos há uma ousadia aqui em fugir do lugar comum de perfumes centrados em vetiver, até mesmo com relação a forma como se contextualiza o aspecto mais floral proposto para criar uma ideia mais feminina. Ainda sim, a ausência de regras ou um olhar mais crítico/severo faz com que o perfume aqui tente abraçar o mundo e não seja capaz de passar sua mensagem de maneira clara. O sorriso e a atitude de alegria e lágrimas de Miss Betty Vair pode ser uma crise emocional/depressiva em vez de expressões de sua sensibilidade. Ou sequer se sabe o porque ela sorri ou chora. Ela é esforçada, mas qual é o objetivo de seu esforço? Miss Betty Vair é confusa demais para te explicar.