16 de out. de 2019

La Closerie Des Parfums Rose Muscade - Avaliação/Resenha/Review


Eu diria que marcas como Lubin, Jovoy e Le Gallion inauguraram um tipo específico de nicho que poderia muito bem ser chamado de nicho de restauração, nicho clássico ou nicho histórico. É uma categoria específica que busca no prestigío e na história de nomes do passado uma tradição que possa ser contada a partir de perfumes modernos do presente. A La Closerie Des Parfums parece atuar nesse sentido, apesar de que sua história de tradição, diferente das marcas citadas, é difícil de ser validada e pode ser muito bem uma estratégia de marketing, que de certa maneira permeia a marca.

Os perfumes da La Closerie tem as características da perfumaria de nicho atual, tentando acrescentar em seus conceitos um aspecto de originalidade. Temos a rotineira exploração da preciosidade dos materiais naturais nobres, porém organizados em coleções olfativas, onde no momento temos uma para 2 das matérias-primas mais populares da perfumaria, a rosa e o oud. A ideia é construir perfumes que sejam como jardins para essas 2 matérias-primas, onde cada integrante da coleção seria como se fosse uma temporada distinta nesse jardim. Isso é feito combinando o material principal com 1 especiaria diferente para cada perfume, sem uma justifica muito clara de qual motivo leva a isso. Outra peculiariedade da marca é que a coleção dos perfumes de Rosas é mais cara que a coleção dos perfumes de Oud, subvertendo a lógica tradicional do mercado atual.

Não posso dizer que Rose Muscade é um perfume ruim, mas eu não vejo nenhuma mensagem especifica nele, o como exatamente ele enobrece a realeza do aroma das rosas. De fato seu aroma me remete demais a um perfume comercial que é muito bom e justo no preço, Cartier Declaration d'un Soir. Rose Muscade é uma versão um pouco mais nobre dele, colocando uma rosa melhor em combinação com o aroma especiado de noz moscada, mas mantendo uma orquestração muito parecida ao redor do tema: o toque aveludado e úmido do cashmeran, um aspecto aveludado que pode ser lido tanto como vetiver ou cedro. Talvez a diferença aqui seja uma enfase um pouco maior em musks, que dão um aroma discreto segunda pele. Diria que Rose Muscade parece feito para agradar ao público masculino e que por isso fica devendo maior ênfase na sua principal protagonista, a rosa. A forma como ele é feito não é o suficiente para que ele de fato venda uma ideia tão mais luxuosa que o perfume da Cartier a ponto de justificar 198 euros em seu frasco de 100ml.