7 de out de 2019

Pk Perfumes Maderas de Oriente Oscuro - Avaliação/Resenha/Review



Conceito: 10
Olfativo: 9.5
Performance: 10
Nota Final: 9.75

Composição Nota:
25% Conceito, 50% Olfativo, 25% Técnico
Preço Oficial: 55 dólares 15ml, 75 dólares 30ml, 115 dólares 60ml
Categoria: Nicho Artesanal/Independente

A nova criação do perfumista independente Paul Kiler já nasce de uma maneira incomum, sendo reconhecida e premiada no Art & Olfaction Awards de 2019. De fato Paul entrega algo excepcional aqui, diferente e desafiador, algo que de alguma forma retoma as raízes da perfumaria em uma exploração que poderia ter produzido algo comum mas que aqui é feito com uma grande ousadia e risco. Maderas de Oriente Oscuro é para mim um ode ao perfume como elemento litúrgico e espiritual, uma espécie de transe olfativo ao redor da queima de maderas aromáticas, que carregam em si os elementos aromáticos impregnados em suas lascas de madeira.

Quando o perfumista descreve em seu site que Maderas de Oriente Oscuro é um Oriental Amadeirado Dark ele não está brincando ou suavizando seu aroma. Vejo talvez essa criação como uma homenagem à um clássico da perfumaria do passado hoje praticamente esquecido, o perfume Maderas de Oriente da espanhola Myrurgia. Paul parece talvez se inspirar no simbolismo religioso e exótico desse perfume dos anos 20 e recontextualizá-lo praticamente no xamanismo dos nativos americanos. É um ode a América do Norte em sua maneira primitiva e mais espiritual.

Na pele, o perfume abre com um aroma defumado complexo, como se estivessemos de fato sentido a pirólise de um blend de madeiras carregadas em resinas aromáticas. O perfumista constrói o conceito da fumaça da madeira de cerejeira incluindo a esse aroma amadeirado e defumado uma nota suculente e frutal que praticamente passa escondido se você não prestar atenção. É possível perceber de maneira periférica um aroma de mel que fica entre o aspecto adocicado de uma bala de mel e o aroma mais cru e animálico do mel. Percebo também um aroma de guaiac de maneira mais evidente e uma impressão de incenso resinoso que me remete ao aroma de Palo Santo. Ainda é possível perceber de fundo um cedro úmido e terroso combinado com aromas de musgo e patchouli.

Há mais nuances para serem descobertas nessa captura praticamente fotorealística de um ritual religioso pensado da perspectiva das madeiras em defumação/queima. Paul vai por um caminho arriscado ao entregar um perfume praticamente perfeito, cujo talvez o desafio de seu aroma o impeça de chegar lá. Não é uma criação para os iniciantes na perfumaria, e sim para os que buscam o novo, o arriscado, o radicalmente ousado, o conceitual. E para esses, o que é entregue aqui é único.