25 de nov. de 2019

Amberfig Passion Fruit & Neroli - Avaliação/Resenha/Review



David Magalhães foi um pioneiro no Brasil a explorar de uma maneira mais estruturada e evidente uma perfumaria artesanal, independente e com características de nicho. A Amberfig se destacou pelos seus perfumes marcantes e intensos, até mesmo as vezes brutos dado a sua alta concentração de óleos essenciais naturais, o que contrastava com a perfumaria comercial dominante em nosso território. Isso desde o começo fez com que uma parte do público achasse o resultado interessante, porém muito difícil de usar, quase como uma sobremesa ou prato exótico que você é capaz de apreciar um pequeno pedaço mas tem dificuldade de comer com frequência.

O perfumista artesanal, entretanto, foi progressivamente evoluindo sua linha e ampliando a sua palheta de materiais, trabalhando cada vez mais com sintéticos de qualidade sem perder a riqueza de sua assinatura. E no sexto ano da marca a Amberfig oferece o que boa parte do público pediu desde o começo: perfumes mais leves e adequados ao calor do nosso país. Isso porém foi feito sem abrir mão da exploração artística e singular da marca, que obteve acesso a materiais limitados e de alta qualidade para produzir essa coleção de perfumes que procura aliar um frescor de uma Eau de Cologne com uma fixação melhor.

Passion Fruit & Neroli é um trabalho bem interessante principalmente por lidar com uma temática difícil de trabalhar, a do maracujá. Frutas tropicais são dificeis de dar destaque pois o que compõe o lado suculento e exótico de seu cheiro se distorce quando é concentrado na fórmula e vai rapidamente embora quando você coloca uma proporção correta. Em Passion Fruit e Neroli porém um equilíbrio entre diversas frutas e flores cítricas reproduz justamente um dos aspectos raramente bem explorados do maracujá: o aroma mais azedinho de sua fruta.

Na pele Passion Fruit & Neroli me faz pensar justamente em um suco de maracujá não adoçado, reproduzindo o lado fresco, levemente azedinho e até mesmo amargo que se obtém do suco de maracujá batido com suas semente. Há um aspecto verde e levemente aquático que parece girar ao redor do maracujá e dá profundidade a ideia, sugerindo nuances de figo e melancia. O corpo floral é fresco, cítrico e bem cologne e fica entre o unissex, indo para o feminino. O perfume favorece uma base leve, predominante em musks limpos e com um leve toque amadeirado e terroso, algo que imagino vir da iris. É um perfume que surpreende por ser original, bem usável e bem suculento e que foi feito certamente para ser usado em abundância e reaplicado ao longo do tempo. Um trabalho que para mim se destaca dentro da temática do maracujá.