27 de nov. de 2019

Guerlain Mon Exclusif - Avaliação/Resenha/Review

Quando foi criado em 2015 Mon Exclusif parecia apenas uma expansão mais amigável comercialmente dentro da linha mais exclusiva de perfumes da marca. Entretanto, o lançamento de Mon Guerlain em 2017 mostrou que mais uma vez a marca utilizava a estratégia que fez com La Petite Robe Noire, a de testar um próximo pilar comercial feminino dentro de uma linha mais exclusiva para ver  sua receptividade. É uma estratégia de mercado interessante, algo que nenhuma outra marca tem feito.

Mon Guerlain e, consequentemente, Mon Exclusif são perfumes que se mostram necessários a centenária grife francesa, conhecida entre os apaixonados por perfumes e desconhecida do público em geral. São criações feitas para funcionarem como um cartão de visitas a quem não é muito familiar com a Guerlain, oferecendo a essas pessoas o que elas já conhecem e com qualidade na entrega.

Mon Exclusif é superficialmente um Oriental Amadeirado cujo o lado oriental vai para o caminho de outros perfumes gourmands açúcarados da década, algo que inclusive foi suavizado depois no Mon Guerlain para evidenciar mais seu lado fougere floral de lavanda. Aqui a baunilha açúcarada tem aspectos salgados e convive com um aroma amendoado de coumarina. A parte mais fresca e aromática de lavanda permanece secundária e há um musk sutilmente animálico presente, talvez a parte que Wasser menciona de ligação entre Mon Exlusif e Jicky e que não é facilmente identificável.

Há um aspecto amadeirado e de tabaco que permanece escondido também entre as camadas de açúcar e que inclusive leva o perfume numa direção mais unissex, remetendo a alguns perfumes masculinos que utilizam tabaco e fava tonka de uma maneira mais adocicada e gourmand. É um perfume longe da assinatura olfativa clássica da marca mas que trás muito bem interpretado elementos clássicos da Guerlain como a baunilha e fava tonka para uma geração e público que não conhece muito bem seu legado.