20 de nov. de 2019

Lancôme Idôle - Avaliação/Resenha/Review

Se de certa forma existe na perfumaria comercial uma corrida para gerar o grande sucesso de vendas pode-se dizer que a vencedora dessa corrida na década de 2010 foi a Lancôme com seu La Vie Est Belle. Investindo em um ar nostálgico, sofisticado e acessível La Vie ganhou inúmeras seguidoras e inúmeros perfumes similares que tentavam replicar seu sucesso. E se preparando para a nova década que está por vir a Lancôme lança o Idôle, o perfume que tem claramente as intenções de ser um sucesso tão grande quanto La Vie Est Belle.

Em Idôle a Lancôme investe pesado em proposta e inovação tecnológica mas infelizmente deixa a desejar no aroma. Idôle se propõe como ícone de uma nova geração de mulheres fortes, que representam o futuro, que sonham grande, que permanecem fortes e que são capazes de fazer o que desejarem. O perfume investe em uma atriz ícone de uma nova geração (Zendaya Coleman) e propõe um perfume feminista feito por perfumistas mulheres, um perfume feito para ser floral, leve e luminoso. Para completar a ousadia do projeto a marca propõe o frasco mais fino do mundo.

O problema é que se você tira o nome Lancôme, as propostas e até mesmo o frasco inovador e fino você fica com um perfume floral fresco que ainda que seja bem feito e equilibrado é comum e não tem uma identidade marcante como o La Vie Est Belle possuia. Idôle parece ir pelo mesmo caminho do Dior Joy e confunde oferecer um perfume floral fresco luminoso com um tedioso e que não parece sofisticado. A saída frutal fresca e brilhante me remete a produto de passar roupas e por mais que a marca dê destaque ao aroma da rosa o que se destaca primeiro é um jasmim verde e meio artificial, ressaltando o aspecto de esmalte do jasmim. A rosa aparece depois, delicada e fresca e também indistinta. O perfume depois disso evolui para uma base segunda pele predominante em musk. É um perfume seguro, fácil de usar, agradável e sem muita personalidade.

Acho irônico que o presidente da Lancôme diga em entrevista que Idôle pretende fazer uma afirmação política e feminista com Idôle, de mulheres que questionam o status-quo, se libertam das tradições e redefinem o sentido do sucesso. A perfumaria feminina nunca esteve tão descolada disso como atualmente, usando todos os códigos possíveis do que é caricatura do papel e representação da mulher. Ainda que pretenda fazer tais afirmações, Idôle é vazio de atitude política e feminista ao trazer um líquido rosa, uma atriz que representa um ideal de beleza longe da realidade e um aroma floral leve e radiante, justamente o que se espera de uma mulher e feito para que ela não marque com atitude o ambiente. É um perfume vazio de significado, indistinto e que se destaca mais pela inovação do frasco.