13 de nov. de 2019

Xerjoff Amber Gold e Damarose - Avaliação/Resenha/Review


Quando se olha a italiana Xerjoff sem a ótica do hype e sob uma avaliação mais racional é possível dizer que a marca tem sim perfumes sofisticados e que vendem a ideia de luxo atrelada ao preço que é cobrado - um luxo olfativo mais moderno e mais acessível aos que não são colecionadores ou apreciadores de perfumes mais antigos mas também um luxo que não é barato. Entretanto a marca parece sofrer do mesmo problema de inconsistência da Guerlain ainda que esteticamente essas 2 marcas não estejam atreladas. Tanto para Xerjoff como para Guerlain uma composição olfativa seja boa ou ruim, sofisticada ou barata pode aparecer em qualquer um dos níveis de preço dos produtos. Não há uma separação olfativa entre as linhas, de forma que há perfumes que você analisa e parecem caros demais para o pouco que é entregue.

De maneira geral uma das melhores linhas da Xerjoff é a mais cara e a primeira lançada, a XJ 17/17, uma que entrega perfumes ricos e harmoniosos, inspirados no passado e condizentes com o preço cobrado. Mas mesmo nessa linha temos algo como Damarose, um perfume comum de rosas que ainda que seja um perfume bem feito é bem sem graça. Damarose me parece feito para o comprador impulsivo, para quem tem o dinheiro ou está disposto a gastar sem pensar, apenas ao sentir imediatamente. É uma composição aveludada de rosas e pimenta rosa com um aspecto floral fresco e um fundo aveludado de musk. O lado chypre sugerido é bem sutil e surge no fim da composição, com um toque distante de patchouli e musgo de carvalho. É uma criação de rosas supervalorizada para o que entrega, indigna de 700 dólares ao soar não muito distante do que poderia ser feito em um perfume que custa 1/7 disso. É o tipo de luxo que eu não consigo compreender, pois não me passa pela cabeça pagar na perfumaria o que seria o equivalente de pagar o preço de uma ferrari para ter a carcaça de uma ferrari e a parte interna/motor de um gol.

Amber Gold, por outro lado, é até que acessível quando se olha o seu preço isoladamente, visto que ele é apenas vendido dentro do combo onde você paga 700 dólares por 2 perfumes de 50ml (Amber Gold e Amber Rose dessa vez, criados após o sucesso de Amber Star e Star Musk). Por causa da tendência à inconsistência conceitual da Xerjoff esse perfume está dentro da linha Shooting Stars quando poderia ser um Oud Star ou até mesmo parte da XJ 17/17, dado que o que é entregue é bem construído e parece ir indiretamente uma direção de oud. Amber Gold retoma o aroma doce, resinoso e ambarado do Amber Star e o leva em outra direção, uma que acrescenta nuances de mel, um aroma animálico de oud não declarado na pirâmide olfativa e um bom acorde de flor de tabaco, um que trás um aspecto meio de fumo à ideia mas sem saturar o perfume. Tem uma boa harmonia, duração e riqueza de detalhes e não é algo comum apesar do que o nome poderia sugerir. Acredito que merecia ser vendido sozinho e dentro de uma linha da marca onde faria mais sentido e teria uma coesão maior.