16 de dez. de 2019

Franck Olivier Oud Touch - Avaliação/Resenha/Review



O mercado de perfumaria cada vez mais competitivo e diversificado tem tornado uma pergunta bem difícil de ser respondida: qual é o limite entre contratipo/cópia e inspiração/versão? Quando se pensa em nome e apresentação isso é fácil de ser respondido, porém quando se analisa o que mais importa em um perfume, a fragrância em si, criações como Oud Touch tornam essa resposta difícil de ser obtida.

Parece que o objetivo de marcas como Franck Olivier é justamente esse, o de capitalizar em sucessos mais exclusivos e luxuosos para uma distribuição mais massificada e acessível sem neccessariamente fazer alusão ao nome e apresentação da criação original. Esse é um nicho de mercado que parece ter florescido silenciosamente, com marcas como Armaf, Al Haramain, Reyane Tradition e certamente muitas outras que ainda não são conhecidas. E o que essas marcas tem mostrado é que dependendo do perfume dá para chegar sim muito perto de criações caríssimas e oferecer um mesmo resultado a um preço muito melhor.

Oud Touch é surpreendente nesse sentido, pois ainda que não seja explicitamente um contratipo/cópia do perfume Oud Ispahan da Christian Dior é muitíssimo perto do seu cheiro. Num primeiro momento isso não é evidente pois o aroma agressivo de agarwood e couro chegam antes da rosa, lembrando mais um perfume da Montale. Depois, a criação harmoniza com uma rosa com mais nuances de tabaco e especiarias e acaba evoluindo para uma base onde o aroma animálico ambarado do couro e oud convivem com nuances de framboesa e incenso. Seu cheiro dura bastante na pele e é uma alternativa com excelente custo-benefício em relação ao original. E considerando a constante descontinuação e reformulação das fragrâncias da linha exclusiva da Dior vale a pena investir em Oud Touch como uma alternativa quando Oud Ispahan tornar-se escasso demais ou (ainda mais) caro.