6 de jan. de 2020

Condé Jardin Jaune - Avaliação/Resenha/Review



Conceito: 8
Olfativo: 9,5
Técnico: 9,5
Nota Final: 9,1

Composição Nota:
25% Conceito, 50% Olfativo, 25% Técnico
Preço Oficial: 199 reais 50ml
Categoria: Nicho Artesanal


Com o novo integrante da sua coleção de perfumes de nicho Condé vai numa direção olfativa que poderia ser definida pela seguinte frase "Em time que está ganhando não se mexe". O perfumista tem construído o seu universo olfativo favorecendo a excelência em vez da quantidade e a cada lançamento ele expande a parte central de sua marca - os perfumes exóticos e opulentos que marcam presença e oferecem um rico e complexo aroma. Condé continua aqui a sugerir inclusive uma textura olfativa que remete a couro - e é curioso pois isso é feito sem que a nota seja utilizada.

Apesar de descrito como um floral oriental que é inspirado na Primavera esse Jardim Amarelo está mais para um cítrico oriental ou um oriental de facetas cítricas, gourmands e amadeiradas. Quando o senti pela primeira vez fiquei surpreso pois seu aroma exótico e multifacetado foi me apresentado em um teste cego e me fez pensar a princípio em um perfume da Xerjoff - prova do luxo olfativo acessível que os perfumes do Condé oferecem.

Jardin Jaune trás o aspecto oriental exótico presente nos perfumes Tabac D'Or e Boisee Rouge e parece fazer uma alusão bem distante ao aspecto couro mais áspero de Cuir Vert, algo que é mais perceptível na fita do que na pele. O protagonismo aqui está num aroma cítrico suculento envolto em um mel adocicado e um patchouli amadeirado e terroso. O patchouli se destaca no aroma e parece oscilar entre o aroma mais gourmand de perfumes como o Angel Man e o aroma mais oriental terroso e sóbrio de criações como Coromandel e Richwood. O lado mais cítrico e o aspecto floral cítrico do coração é que o torna distinto entre os perfumes mencionados, oferecendo de certa forma uma experiência exótica e bem equilibrada na pele.

A impressão que me dá é que Jardin Jaune captura de uma maneira mais abstrata a ideia primaveril e floral que seu conceito propõe, de maneira que nem sempre o perfume evoca a cor amarela e a estação que ele sugere. Diria que sua combinação de cítricos, limão e mel me faz mais pensar no fim da estação da primavera, sugerindo um aconchego e uma saturação que parece saudar bem a chegada do outono. Tirando isso, o perfume é certeiro em sugerir a mesma atmosfera de outras criações da marca sem parecer redundante e parece convidar inclusive a um uso combinado com outros do marca - imagino que Jardin Jaune ficará perfeito em sintonia com Tabac D'Or. Vale a pena conhecer esse se você é fã de gourmands orientais, fã dos perfumes mencionados na resenha ou fã de outras criações da casa.