9 de jan. de 2020

Guerlain Baiser de Russie - Avaliação/Resenha/Review


Algumas práticas que a Guerlain tem feito na sua estratégia de lançamentos, precificação e posicionamento de vendas são excelentes para demonstrar o fato de que a última coisa hoje que determina o lançamento de um perfume em uma perfumaria exclusiva ou de nicho é o que vai dentro do frasco. E é muito fácil de fazer isso pois no ritmo frenético de lançamentos é impossível acompanhar tudo que acontece, com o consumidor sendo bombardeado por lançamentos, relançamentos, edições limitadas, frascos atraentes. E nesse processo de querer cada vez mais e de buscar cada vez mais perde-se o foco e deixa-se levar pelas emoções e pelo impulso.

Para recapitular numa linha do tempo. A imagem que ilustra esse post acompanha a linha do tempo da esquerda para a direita.

2009: Lançamento da Trilogia Les Voyages Olfactivs, celebrando conexões entre Paris e as cidades de Moscou, Tokyo e Nova York. Cada fragrância custava 160 Euros e vinha em frascos de 250ml concentração EDT.

2011-2012: Repaginada da trilogia Les Voyages Olfactivs para a coleção Une Ville Un Parfum, com o lançamento em 2011 do perfume Tokyo e em 2012 do perfume Shangai. Os perfumes passam a custar 150 Euros e são vendidos na concentração EDP em frascos de 100ml.

2016: Com a linha Une Ville Un Parfum completamente descontinuada a marca relança o perfume Moscou numa edição limitada de colecionador, vendida somente na rússia. Batizada de Le Bolshoi Prima  Ballerina o perfume é lançado em um frasco de 60ml e vendido por 360 Euros.

2018: Mais uma vez o perfume Moscow é relançado, agora dentro da linha Parisienne, que desde sua criação teve o foco em resgatar perfumes queridos do público e que estavam fora de circulação. Moscow é rebatizado de Baiser de Russie e passa a vir em frascos de 125ml no preço de 230 euros.

Perceba que estamos falando do mesmo perfume, sem grandes mudanças, variando radicalmente de preço de acordo com a concentração, frasco e ênfase na exclusividade que se deseja dar a fragrância. É uma forma bem didática de como você manipula o consumidor modificando-se o valor percebido pelo preço, frasco e escassez. E a verdade é que desde o começo esse não é um perfume que merecia o caráter de exclusividade e luxo que lhe é atribuído.

Não há nada exatamente especial em Baiser de Russie para ser lançado como exclusivo, é uma criação floral frutada gourmand que poderia estar tranquilamente dentro da coleção comercial da marca. O perfume tenta trazer um ângulo mais exótico a essa ideia que o conecte com a Rússia e Moscou e isso pode ser percebido nas nuances verdes que remetem a absinto e bebida. Mas de forma geral esse é um perfume gourmand frutado que contrasta baunilha, musks, caramelo e ressalta a nuance frutada do jasmim para criar um acorde frutal vermelho na saída.

Se fosse lançado por qualquer outra marca comercial poderia tanto fazer sucesso como ser esquecido pelo caráter razoavelmente comum da ideia. Mas aqui ele ganha ares de prestígio e exclusividade ao carregar o nome Guerlain, o preço e distribuição luxuoso e o frasco sofisticado. Mas nada disso esconde que no fundo Baiser Russie é uma criação desprovida de algo interessante a dizer olfativamente falando, é um perfume comum que serve claramente um propósito: fazer dinheiro e manter o consumidor entretido.