7 de jan. de 2020

Pierre Guillaume Long Courrier - Avaliação/Resenha/Review



Não sei dizer se foi o avanço da perfumaria de nicho ao longo da última década ou um amadurecimento do negócio (que existe desde 2002) mas a impressão que me dá é que a Parfumerie Generalle (agora sobre o nome de seu perfumista) se deslocou cada vez mais de uma perfumaria artística e arriscada para uma perfumaria comercial refinada. Ao mesmo tempo que isso desaponta um pouco quem conhece a marca desde o princípio é garantia de que um novo público, mais rentável, se aproxime da marca.

Inspirado no oceano, nas viagens e no processo de movimento a Collection Croisière nasceu em 2015 como uma forma de criar perfumes relaxados e leves mas sem a característica aquática desse tipo de composição. Long Courrier faz parte dos primeiros perfumes lançados nessa coleção e é descrito como um solar oriental com notas de laranja, elemi, cedro, sal, baunilha, cacau, notas atalcadas, musk e ambar.

Long Courrier entrega justamente o que promete, um oriental solar para dias de calor e para momentos relaxados de férias e viagem. É um perfume que tem uma aura de baunilha sem o peso da mesma, uma baunilha levemente salgada ancorada principalmente nos musks, um cedro sintético distante e em um toque ambarado sutil que permeia a composição. As outras notas servem mais como decoração do acorde e não perceptíveis, o perfume tem uma aura mais linear, simples e até mesmo discreta, como uma espécie de segunda pele exótica.

Não é exatamente uma ideia original, de forma geral remete ao Vanille Exquise de Annick Goutal, mas também não explora nada que esteja saturado na perfumaria no momento. É um perfume muito agradável, porém caro para o que oferece - por 160 euros se esperaria mais da composição.