24 de jan. de 2020

Roja Dove Diaghilev Parfum - Avaliação/Resenha/Review


Analisar os perfumes de Roja Dove serve como uma história da evolução da perfumaria de nicho nos últimos 8 anos, cujo o crescimento teve uma parte considerável calcada no setor de luxo aspiracional. Até 2010 Roja Dove era uma pequena e desconhecida marca de perfumes de um historiador e especialista de fragrâncias que havia trabalhado durante anos dentro da Guerlain. De certa forma o lançamento inicial de Diaghilev, na concentração EDP, e seu posterior retrabalho para a versão parfum marcariam o início de uma fase onde perfumes caríssimos, apresentações extravagantes e aromas luxuosos catapultariam a marca para ser uma das marcas igualmente amadas e odiadas pelos apaixonados por perfumes.

Talvez o sucesso de Diaghilev tenha sido um momento onde o historiador e sua equipe de negócios perceberam que havia demanda para perfumes clássicos que resgatassem o prestígio e luxo do passado. Um perfume que a príncipio nascia como uma homenagem limitada a Serge Diaghilev, fundador do Ballets Russe, se tornaria uma de suas fragrâncias mais prestigiosas. Certamente isso combina com um personagem que amava tanto a perfumaria que sempre que viajava exigia que seus lençóis fossem perfumados.

Em Diaghilev Roja Dove está em casa, emulando a estrutura olfativa do perfume preferido do bailarino russo, Mitsouko. Na versão original, edp, isso é bem evidente com o contraste entre o pêssego, musgo de carvalho, iris e especiarias, com um perfume terroso, seco e quente que certamente surpreenderia muitos homens. Curiosamente na versão parfum a inclusão de notas mais animálicas me parece levar a criação em outra direção, Paloma Picasso Pure Parfum e seu aroma super seco e proeminente em vetiver e castóreum. Talvez isso acabe escondendo um pouco os detalhes que remetem ao perfume preferido do bailarino, mas o elo entre edp e parfum certamente continuam.

É possível dizer que a versão Parfum de fato soa mais refinada, marcante e harmônica em relação a primeira versão edp que foi edição limitada, mas isso teve um preço, um aumento de quase 10x no valor (o inicial custa 75 libras 100ml, o parfum custa 795 pelo mesmo tamanho). Mas basta comparar as duas versões em termos de estética e história e é fácil entender o como a marca além de melhorar a formulação de suas fragrâncias se elevou em percepção de um player pequeno de nicho para um grande protagonista do luxo clássico.