12 de fev. de 2020

Boticario The Blend Bourbon - Avaliação/Resenha/Review



No final de 2018 a Boticário se preparava para lançar o que prometia ser seu próximo grande perfume masculino, a fragrância The Blend. Foi construída uma grande expectativa em relação ao produto que no fim das contas teve um lançamento confuso e prejudicado por uma falha na tampa do frasco, que era mal colada e soltava fácil. Isso fez a marca recolher praticamente todo o estoque do produto e adiar em quase um ano o seu lançamento. Fora isso a marca construiu uma divulgação olfativa confusa para o perfume, que as vezes dava destaque para tuberosa e as vezes para o oud, sendo que o perfume apesar de bem feito não tinha nada do exotismo desses materiais.

Talvez para compensar o atraso de um ano do projeto a marca não apenas trouxe o The Blend como também criou o segundo perfume da saga, The Blend Bourbon. Utilizando-se da mesma técnica de co-destilação artesanal de pimenta preta, canela, cravo e noz moscada a versão Bourbon promete uma fragrância intensa e especiada que dá destaque à baunilha bourbon, considerada uma das mais nobres da perfumaria.

Por mais que meu apreço pelo perfume The Blend tenha crescido ao longo do tempo após ter escrito minha avaliação o perfume The Blend Bourbon finalmente entrega o que eu esperava do projeto, uma fragrância sofisticada, equilibrada e que consegue encontrar um intermediário entre ser inovador e estar na zona de conforto. A marca consegue propor um perfume que utiliza a cremosidade da baunilha em uma composição oriental, amadeirada e especiada e sem torná-la um creme adocicado de baunilha.

The Blend Bourbon é harmonioso e complexo, um perfume que me mostrou diferentes aspectos em cada vez que o senti ou usei. As vezes na fita o aspecto de licor da baunilha se ressalta e vem acompanhado de um lado floral cítrico que me surpreendeu por ser praticamente unissex. Outros dias na fita esse aspecto mais floral não se ressaltou e o que percebi foi justamente uma baunilha harmonica acompanhada de um amadeirado cremoso e de um musk de alta qualidade.

Na pele é que o perfume se revela mais multifacetado e é possível perceber que ele é bem mais masculino do que parece. O sândalo da base é ressaltado pelo frescor leve e cítrico da bergamota e por um lado mais cítrico amargo de grapefruit, algo que parece remeter a laranja amarga. Isso ajuda a equilibrar a doçura da baunilha, que envolve a composição como um todo. O corpo do perfume é coerente com esses elementos e utiliza a lavanda como um fio condutor do frescor da saída e da cremosidade da baunilha no fundo.

A codestilação das especiarias acaba ficando em segundo plano, acrescentando um ar exótico que é um pouco quente e picante mas que não se torna centro da composição. Na fase final o perfume consegue trazer uma base amadeirado que não é muito seca, nem áspera e que acha o ponto certo entre sândalo, vetiver e baunilha para criar um amadeirado masculino que é robusto porém sem ser bruto demais.

The Blend Bourbon tem uma performance melhor também e é um projeto coerente olfativamente do começo ao fim. É um perfume que sabe utilizar a sofisticação da sua fórmula e a harmonia proposta sem soar comum ou desconexo e entrega uma criação que vale a pena o preço cobrado pela marca. Uma excelente baunilha amadeirada para quem busca algo que não seja exageradamente adocicado.