13 de fev. de 2020

Boticario Botica 214 Black Vanilla - Avaliação/Resenha/Review


É interessante ver que na perfumaria brasileira atual empresas como Natura e Boticário tem se preocupado em acompanhar as tendências da perfumaria de nicho e exclusiva e adaptado isso para as suas realidades e para as realidades do consumidor brasileiro. Com a linha Botica 214 o Boticário mirava primeiramente numa perfumaria exclusiva ainda que com uma distribuição mais massificada, utilizando o código das preciosidades das matérias-primas e perfumes mais minimalistas na sua execução, umas espécie de Jo Malone Brasileira.

Em 2019 a marca deu o segundo passo em uma direção de nicho criando um segmento dentro da coleção Botica 214 voltada exclusivamente a sua loja interativa, tecnológica e mais conceitual, a Boticario Lab. Com as 5 fragrâncias lançadas a marca se permite explorar fragrâncias mais arriscadas em preços mais luxuosos, oferecendo uma experiência exclusiva e que se alinha bem com o que marcas de nicho tem feito fora do país. As fragrâncias propostas exploram temas clássicos da perfumaria: Baunilha (214 Black Vanilla), Rosa da Bulgária (214  Rose Magnifique), Neroli (214 White Neroli), Cedro e Ambar(Âmbar e Cedro do Líbano), Madeiras e Canela do Laos (214 Wood & Ambar).

Como não há a possibilidade de testar tais perfumes fora da loja conceitual tive que arriscar no escuro e comprar Black Vanilla, que se mostrou ser um risco acertado. Criado pela perfumista Alienor Massenet, Black Vanilla se encaixaria tranquilamente no catálogo de grifes de nicho de outros clientes da perfumista, o que mostra que a Boticário realmente se preocupou em oferecer algo excepcional. E dado o preço pago por tal fragrância (350 reais) o resultado olfativo final é surpreendentemente muito bom.

Talvez alguns estranhem o tipo de baunilha entregue aqui, pois ela não é nem um pouco doce ou açúcarada. Black Vanilla parece homenagear a baunilha em suas nuances naturais - a fava da baunilha possue um aroma mais ambarado, quente e até mesmo animalico e a tintura de suas favas em álcool de cereais produz um aroma licoroso, quente e doce de uma maneira adulta. A baunilha também é um dos elementos cruciais do acorde clássico de ambar, que é uma combinação de labdanum, baunilha e resinas aromáticas como mirra e benjoim.

Ainda que não seja listado mais que a baunilha e o rum como notas de Black Vanilla seu aroma seco e que remete a mel e própolis não deixa dúvidas de que esse é um perfume de baunilha em um acorde clássico de ambar. O rum trás o contexto da tintura de baunilha ao ressaltar seu lado mais licoroso e tem-se a impressão de que um uso discreto de cravo da india ressalta o lado mais defumado da fava. O aroma de ambar surge rapidamente junto com o cheiro especiado e de baunilha licorosa e leva o perfume na sua direção Black - principalmente para o público brasileiro, que não está acostumado com esse tipo de aroma.

Há algo interessante entre o aroma licoroso, especiado e ambarado, que é um cremosidade sutil que me remete a coco e me faz pensar na utilização da madeira Amyris, similar ao sândalo e com características similares. Ou então pode ser um leve toque de benjoim ou de mirra ajudando a dar mais complexidade ao acorde ambarado clássico. Projeção e performance são excelentes mas essa certamente é uma fragrância que além de premium atinge um público muito especifico e faz mais sentido ser apreciada e entendida numa experiência mais personalidade. 214 Black Vanilla é uma experiência nacional de nicho em todos os seus detalhes e que entrega além do que cobra.