10 de fev. de 2020

Olibere Paris Le Jardin de Mistinguet - Avaliação/Resenha/Review

Ainda que não seja uma das marcas mais faladas e hypadas no mercado eu torço pelo sucesso da Olibere. Fundada por Marjorie Olibere, os perfumes da Olibere entregam algo que na teoria é muito fácil de atingir mas na prática nem sempre é, que é a elegância, delicadeza e complexidade olfativa. Marjorie tem se esforçado para traduzir suas paixões na fotografia e no cinema em coleções e conceitos que agregam esteticamente sem alienar o consumidor. E isso tudo sem que a marca recorra a preços exorbitantes para vender luxo e status. Como não torcer por uma marca dessas?

Em 2018 a Olibere lançou uma coleção de fragrâncias com um ar mais primaveril e leve, denominada de Les Insoumises (As Rebeldes). Ainda que a orientação seja unissex, todo o esforço conceitual e estético indica a tentativa de atrair um público díficl de ser cativado na perfumaria de nicho, o público feminino. Os perfumes da coleção se inspiram em heróinas imperfeita mas determinadas, fortes e apaixonantes. E isso é traduzido em uma ideia leve, alegre e luminosa, com cada perfume representando esse conceito de uma maneira diferente.


Le Jardin de Mistinguet é inspirado no filme Midnight in Paris e infelizmente como não assisti esse filme me falta a referência conceitual para fazer a ligação com a fragrância em si. Entretanto, o trabalho que Marjorie fez junto com o perfumista Luca Maffei se traduz em um floral primaveril que faz sentido por si só. A princípio o aroma sugere uma nuance aquática e floral ensolarada que parece ir sem grandes novidades, porém no meio da fragrância desabrocha um belo aroma de mimosa, bem equilibrado entre suas nuances que remetem a pólen e néctar de flor. Há um delicado aroma floral que remete a rosas e também a própria nuances floral de laranjeira que faz um papel mais exótico na composição.

Por fim, o perfume se encaminha para uma base ambarada que consegue ter um lado mais "comum" sem desemerecer a fragrância ou soar pobre. Aqui a combinação de ambar, tonka e musk para criar o efeito de um por do sol alaranjado, uma textura olfativa levemente quente, adocicada e que envolve a pele. É certamente um perfume romântico e imperfeito, porém alegre e primaveril, certamente feminino sem ser comum. É claro que pode ser perfeitamente compartilhável porém acredito que aqui a marca acertou em cheio com as mulheres ao fazer algo inspirado nelas.