2 de abr. de 2020

Bvlgari Le Gemme Lazulia - Avaliação Perfume


Parte da trilogia Orientale (um subconjunto da coleção exclusiva Le Gemme), Lazulia é certamente um caso curioso de design conceitual. O perfume quebra a expectativa sinestésica com relação a fragrâncias azuis e suas conotações leves e aquáticas e segue um caminho de interpretação árabe, honrando as origens da pedra lazulita que lhe serve de inspiração. Ainda sim, o perfume em si também não é um perfume tipicamente árabe como poderíamos esperar pela inclusão de incenso e agarwood na composição. Em vez disso, a perfumista Daniela Andrier interpreta de forma livre a temática e o conceito das mil e uma noites que a marca propõe.

Do ponto de vista olfativo. Lazulia é sóbrio e sensual ao mesmo tempo, é como um exercício de minimalismo em um tipo de perfumaria que é justamente o oposto do minimalismo. O Aroma em si me parece ficar entre o de um chypre floral moderno e um oriental floral, com uma forma que fica entre um patchouli adocicado e uma abstração de um incenso floral de agarwood. Da mesma forma que a temática das madeiras as flores acabam adquirindo uma conotação abstrata também: há certamente nuances de rosas entre os aspectos de incenso, patchouli e oud enquanto se percebe um jasmim mais adulto, sem ser muito frutado e mostrando o lado delicado, lactônico e adocicado da flor.

Como muitos das criações minimalistas de Daniela Andrier Lazulia é simples e direto ao ponto, tendo uma boa fixação na pele sem ter um rastro exagerado e que domina o ambiente. É um tipo de composição que parece agradar a uma clientela que deseja perfumes com a temática do oriente e a execução de uma seda. Podemos estar na sensualidade das mil e uma noites, mas longe do aspecto mais carnal e erótico dos contos.