28 de abr. de 2020

Jeroboam Insulo - Avaliação Perfume



É interessante quando uma marca tem uma história e se preocupa em conta-la para o seu público. É algo que falta muitas vezes na perfumaria moderna, seja de nicho, comercial ou independente: uma narrativa clara que permita contextualizar o que se sente, entender o propósito do que foi desenvolvido. Mas se tratando de uma marca de um dono de uma das mais renomadas lojas de perfumaria de paris isso não me surpreende.

Criada por François Hénin, fundador da Jovoy, Jeroboam nasceu de uma brincadeira entre François e o perfumista com relação a capacidade de se sentir musks. Isso levou ao desenvolvimento de uma espécie de um coquetel de musks, uma assinatura olfativa que definiria conceitualmente a marca depois. É interessante a escolha de musks como base para uma marca luxuosa de extratos. Há uma visão equivocada com relação a eles na perfumaria moderna pelo abuso de alguns musks em formulações próximas da perfumaria funcioinal. O que Jeroboam parece propor então é um risco, um resgate do aspecto universal, enigmático e luxuoso dos musks.

Em Insulo isso é modulado pela escolha perfeita para esse propósito: baunilha. É conhecido de que a baunilha é uma forma de se perceber os efeitos de um musk quando não se é possível de sentir seu cheiro, já que há uma sinergia entre baunilha e musks. Insulo propõe uma arma de sedução ao redor dessa ideia e é justamente o que ele oferece.

A princípio tinha achado seu aroma simples, sentindo basicamente baunilha, musks e toques de um floral branco com uma leve pontada cítrica para não deixar a composição muito flat. Mas Insulo vai se revelando na pele aos poucos de fato, com os musks crescendo lentamente e criando uma aura oriental quente, moderna e aveludada. O que eu acho interessante nessa baunilha é que ao mesmo tempo que ela é adocicada ela apresenta uma nuance de caramelo que nunca é enjoativo ou muito doce. E essa nuance vai evoluindo para algo que me faz pensar em benjoin e resinas mas sem nunca desenvolver um peso ambarado. Insulo forma uma espécie de aura aconchegante e intensa de musks, que se mantém perceptível em toda a sua evolução, o que é um desafio quando se trata de composições de musks.

Por ser uma experiência que depende de uma família de moléculas que são percebidas de uma forma tão diferente por cada pessoa, Insulo é no fim das contas uma experiência pessoal e essa é apenas a minha jornada com relação a ele. Eu diria que é um produto vencedor quando se analisa proposta, conceito, design, performance e custo-benefício. Vale a pena conhecer.