28 de abr. de 2020

Jeroboam Miksado - Avaliação Perfume


Quando vi pela primeira vez o nome da marca, fiquei intrigado em qual seria a relação dele com o conceito da marca (que eu detalhei na minha avaliação do Insulo). Pesquisando descobri um elemento intrigante e que parece acrescentar um ar de mistério a marca: Jeroboam se refere a uma tradição francesa do século 18 e 19 em atribuir nomes de figuras bíblicas importantes do antigo testamento a diferentes tamanhos de garrafas de Champagne, Bordeaux e Burgundy. Jeroboam é o nome dado para os volumes de 3 e 4,5 litros. O motivo dessa tradição, entretanto, não há quem consiga explicar. Considerando que os nomes de cada perfume da marca estão em Esperanto, vejo isso como uma forma de misturar elementos clássicos, universais e com uma pitada de mistério. Coisas que certamente fazem um perfume ser interessante.

Miksado é a palavra em esperanto para mistura ou ato de misturar e a proposta do perfume é uma fusão de notas frutais e especiadas com musks e madeiras. É uma descrição certeira já que o comportamento do perfume na pele é justamente uma espécie de dança entre essas notas, onde não parece haver um plano linear de evolução. Talvez pela saturação dos musks notas que seriam tipicamente de base acabam subindo para uma percepção entre saída e corpo e o resultado é familiar no aroma e interessante na execução.

As notas divulgadas não casam totalmente com a minha percepção de Miksado. A marca divulga Uma saída de bergamota, açafrão e labadanum mas a minha primeira impressão em Miksado é o aroma frutal prometido. É um aroma bem suculento e levemento azedinho, algo que me faz pensar em ameixas que acabaram de amadurecer, por isso são ameixas frutais, doces, mas que ainda retém um aspecto cítrico e ácido em seu aroma. O Labdanum logo em seguida aparece e é um contraste interessante entre um aroma ambarado e esfumaçado denso e um aroma frutal, suculento e até mesmo um pouco luminoso.

O Labdanum que tipicamente acompanha o perfume até a evolução aqui se comporta como uma nota de saída e meio e se mistura ao aroma das ameixas e a tons do que me parece ser canela e cravo na composição. Conforme o tempo passa, o blend dos musks da marca vai se destacando e criando uma aura aconchegante, aveludada e abstrata. Entre eles se mistura o aroma das madeiras, que horas dá espaço para um aroma bem seco de cedro e em outros momentos evidencia mais o aroma amadeirado mais delicado do Gaiac. A baunilha e o patchouli nessa composição acabam sendo mais elementos acessórios para mim, e que não se destacam na mistura. A dança de notas em Miksado é deliciosa e como Insulo o perfume tem uma aura e duração condizentes com um extrato. Muito bom.