17 de abr. de 2020

L'Envie #006 You Had Me At Hello - Avaliação do Perfume



Com You Had Me At Hello a L'Envie certamente me fez atingir o objetivo que desejava mas talvez não da forma como esperava. Com a proposta de criar uma fragrância que atraísse e fizesse refletir o perfume me fez pensar como a L'Envie me parece uma marca que até possui boas ideias mas simplesmente acreditava que fazer perfume de nicho ou exclusivo é jogar uma maçaroca de referências mal-explicadas com descrições incongruentes, produzindo perfumes que entram em conflito com a proposta criada.

A princípio tinha percebido You Hat Me At Hello como coerente com a temática iniciada em #005 Stop It Love It, mas ao usá-lo na minha pele percebi que estava enganado.  A marca diz que a fragrância não precisa de explicação, mas o conceito e a ligação com ela sim. Que diabos uma frase icônica do filme Jerry Maguire tem a ver com Ikebana, a arte japonesa de fazer arranjos? E como eles conseguem se inspirar na arte dos arranjos florais num perfume que não tem flores em evidência?

Olfativamente falando o perfume também é incoerente com a dinâmica que a marca propõe, apesar de ser uma fragrância boa. É dito que o perfume cria amplitude por meio do contraste, mas vai justamente numa direção onde parece haver linearidade em vez de amplitude e uma transição gradual em vez de contraste. A descrição feita em #005 Stop It Love It faria mais sentido aqui: temos um bloco de musks e madeiras brancas com algo que parece remeter a nuances de couro ao passo que ao redor disso há uma espécie de borrão olfativo, uma aquarela de tons levemente cítricos, verdes e discretamente florais mas que não roubam a cena do que é proposto.

You Had Me At Hello mais uma vez faz pensar em uma criação do Boticário porém com performance melhor e mais rica nos elementos. A L'Envie para mim acaba sendo promissora e decepcionante. Promissora pois há bons perfumes e boas referências que poderiam conduzir a algo criativo de fato. Decepcionante por parecer acreditar que brasileiro é idiota em aceitar qualquer coisa e fazer uma maçaroca que mistura diptyque, zara, boticário com descrições esquisitas, conceitos tortos e perfumes que não casam com as identidades dos frascos propostos. Tem muito a melhorar ainda caso queira na perfumaria realmente ser sofisticada e distinta como se propõe a ser.