5 de jun. de 2020

Avon Perceive Man




Memórias olfativas são como outras memórias, muitas vezes mais afetivas do que precisas de fato. Quando voltamos nela a mágica daquele tempo e daquela fragrância não existem mais devido a incontinuidade da vida. As fragrâncias mudam, e nós também mudamos. E foi isso que me deparei quando tive chance novamente de revisitar Perceive.

Perceive foi o segundo perfume da Avon a entrar na minha vida após Class Act, um presente de aniversário da minha irmã na época que comecei a me cuidar mais e a sair perfumado. Perceive foi meu perfume de colégio e um dos que eu usava nas minhas aulas de inglês na época. Me lembro até hoje que para o primeiro dia de aula de inglês no CCAA eu tomei banho dele e podia perceber seu aroma exalando a uma distância quilométrica rs

No Brasil sua fragrância foi descontinuada mas em outros mercados ela continua a existir, o que prova que ele ainda vende o suficiente mesmo depois de 20 anos. Uma vez importei um de fora para rever minhas lembranças e me surpreendi, não era mais o mesmo. O Perceive que eu sentia em mim quando adolescente exalava uma intrigante aura adocicada e frutada, algo que me remetia a ameixa de alguma forma. Revisitando ele percebi um perfume clean de madeiras, musks e cítricos.

 O perfume pode ter sido reformulado, mas eu também não sou mais o mesmo. O Nariz e as experiências do Henrique adolescente pertencem a ele e são precisas para aquele momento da minha vida. E é curioso que eu perceba isso justamente num perfume que traduzido do inglês signifique perceber.