10 de jun. de 2020

Byredo Bullion - Avaliação Perfume


Quando conheci os primeiros perfumes da Byredo peguei antipatia pela marca - via algo genérico tentando se passar por um luxo minimalista e eu via "lançamentos" se passando por criações exclusivas e de nicho.Era como se a princípio seu fundador pedisse para os perfumistas reinterpretações, sejam comerciais ou de nicho, para encaixar com as supostas inspirações de sua vida e viagens.

Lançado em 2012 Bullion é supostamente inspirado pelo oriente - pelos locais Ben Gordon  visitou, pelas pessoas e comida que ele conheceu. Por trás dessa história temos é uma reciclagem (para não dizer cópia) das idéias trabalhadas por Bertrand Douchafor em vários de seus perfumes com uma estética mais misteriosa e oriental.

Bullion lembra diretamente tanto Jubilation XXV como Dzonghka, só que menos interessante que ambos. É uma mistura de aromas ambarados, frutais, incensados e amadeirados, que começa com um aroma de ameixa, evolui para algo mais especiado, algo entre açafrão e pimenta rosa, terminando numa base com aromas ambarados, cedro, incenso e musk.

Ainda que a marca tenha evoluído para lançar criações mais interessantes Bullion é o tipo de projeto de nicho e exclusivo que eu condeno, afinal uma fragrância que cobra mais de 200 dólares ainda que não entregue algo novo deveria se esforçar para não parecer uma cópia de um ou mais perfumes.