11 de jun. de 2020

Guerlain Bouquet de Paris - Avaliação Perfume


Os fãs mais clássicos e mais hardcore da Guerlain certamente lamentam que a marca ao longo dos anos tenha movido seu estilo de perfumaria de algo mais clássico e retrô para algo mais moderno. Porém é bem difícil vender perfumes sofisticados e complexos a uma nova geração e a marca precisa se adaptar aos tempos para que continue conhecida e rentável. Ainda assim a Guerlain mantém em perfumes como Bouquet de Paris celebrações ao seu legado e aos tempos clássicos

Bouquet de Paris é uma homenagem a loja símbolo da marca, a 68 Champs-Elysées, e é uma celebração dos aromas da capital da perfumaria. Eu diria que Bouquet de Paris é uma celebração primaveril a Paris, capturando de uma maneira delicada e equilibrada o cheiro de flores com uma aura mais retrô. Thierry Wasser também parece buscar uma forma de introduzir os elementos mais vintage da marca de uma maneira delicada, fresca e mais contemporânea.

Uma das flores que é o centro da composição aqui é a flor de cravo, muito utilizada em perfumes vintage e um dos elementos-chave da perfumaria clássica. Muitos se focam muito no musgo de carvalho, nitro-musks ou em civet como parte da assinatura clássica da perfumaria e é curioso como o cravo seja ignorado por quase todos, sendo que seu aroma quente, negro e floral é tão ou mais importante quanto outros materiais celebrados. E o aroma da flor de cravo e do próprio cravo da índia sofreram pesadamente com as severas restrições ao eugenol e seus derivados.

Thierry Wasser contorna isso em Bouquet de Paris utilizando materiais que estão disponíveis hoje para substituir os limites de eugenol, provavelmente utilizando methyl dianthilis para sugerir o aroma do cravo. De certa forma o perfumista acaba capturando de uma maneira mais impressionista e delicada o aroma da flor. Bouquet de Paris me remete ao cheiro de flores na floricultura - o aroma picante dos cravos com suas nuances mais verdes e delicadas que remetem a crisântemo. É uma delicadeza aveludada e de pétalas que na perfumaria clássica era difícil de ser capturada tanto por limitações na extração dos OEs (que eram mais pesados e mais "sujos") como por limitações de sintéticos disponíveis para isso.

Ao redor do cheiro de cravo e das nuances que remetem a crisântemo temos um leve toque powdery de iris, e é interessante que a marca não o mencione nas notas. A iris se combina a uma rosa um pouquinho mais retrô e powdery e a combinação de cravo, rosa e um leve toque cítrico as vezes me remete a ecos do perfume Habit Rouge, de uma maneira bem delicada. Ao mesmo tempo, percebo na evolução do perfume uma base amadeirada com uma doçura de resinas adocicadas e uma leve sugestão de baunilha também. É uma alusão as bases clássicas resinosas, amadeiradas e adocicadas de perfumes clássicos da marca. É como se aqui Thierry Wasser homenageasse L'Heure Bleue utilizando o estilo aquarelado e minimalista do Apres L'ondee.

Bouquet de Paris pode decepcionar pelo estilo mais delicado de seu aroma, entretanto entendo que capturar esse aspecto mais delicado e floral de seu bouquet primaveril se perderia em uma versão mais intensa e pesada. É um perfume luxuoso de uma maneira mais contida e uma celebração aos clássicos da marca de uma maneira menos óbvia - as referências aos clássicos da marca estão presentes, mas é preciso prestar atenção. Infelizmente esse tipo de perfume mais clássico e sofisticado vende pouco hoje em dia e por isso Bouquet de Paris acaba existindo apenas em Paris e a um preço alto: 550 euros 125ml.