18 de jun. de 2020

Molinard Habanita Pure Parfum - Avaliação Perfume



Lançado na década de 20 Habanita é um dos maiores, se não o único, clássico da grife Molinard e um caso curioso na história da perfumaria. Lançado inicialmente como um produto para aromatizar cigarros em 1921 Habanita caiu no gosto do público e foi promovido a perfume 3 anos depois, em 1924. E é provável que isso tenha acontecido devido ao delicioso perfume especiado, ligeiramente doce, seco e de tabaco que ele carrega.

Habanita é um perfume que foi reformulado com o tempo mais de uma vez, por isso é difícil dizer se a versão avaliada, um extrato mais recente, é fiel ao original da década de 20. Mas é possível perceber a grandiosidade dele mesmo nessa versão. É interessante o como os perfumes destinados ao público feminino daquela época não eram criações delicadas e quando possuíam de fato uma aura feminina eram com aromas complexos e grandiosos, e ainda sim apoiados firmemente no que era considerado universo masculino.

Na versão parfum esse clássico possui um aroma de tabaco do começo ao fim. É um tabaco seco, um pouco defumado, sem mel ou sem as frutas evidentes (listadas em algumas pirâmides olfativas e que provavelmente devem ser mais notáveis na versão EDT dele). É interessante que a baunilha que vai nele não o torna mais doce, tendo o lado mais seco da baunilha explorado aqui, com a sua nuance de couro misturada ao aroma seco de tabaco. O musgo de carvalho e o ambar de fundo criam uma base mais terrosa, de aspecto defumado ao redor dos outros elementos. Como muitos dos clássicos, Habanita Parfum dá um excelente aroma de tabaco, clássico, e atemporal, com um cheiro mais fechado que provavelmente agrada mais hoje ao público masculino que ao feminino. É um dos grandes clássicos que vale a pena ser conhecido e é um excelente perfume de tabaco aos que gostam desse aroma.