3 de jun. de 2020

Nuancie Jocker - Avaliação Perfume Contratipo (212 Men Party Fever)



Eu consigo entender o lançamento de Jocker dentro da linha mais exclusiva da Nuancie mas ainda sim vejo como uma decisão estranha. Jocker se inspira em um perfume que foi edição limitada e que é cobiçado por uma parte dos consumidores, o perfume 212 Vip Party Fever Men da Carolina Herrera. Entretanto esse é um perfume comercial e com características de perfumaria de massa e colocá-lo junto com outras criações de uma linha com inspirações de nicho e exclusivas o torna discrepante de todo o resto.

Jocker é também um dos primeiros da Nuancie onde vejo um nível de semelhança olfativa inferior ao que a marca costuma fazer nas outras criações. Como a Nuancie é tão consistente em trazer reproduções fieis eu fico dividido entre isso ser uma escolha proposital ou uma limitação que foi encontrada no momento de criar a fórmula, algum material que era proprietária da casa de fragrâncias que desenvolveu originalmente o 212 Vip Party Fever.

As mudanças que são feitas em Jocker aparentemente agradaram ao público mesmo que modifiquem partes da fragrância. A saída principalmente é alterada e o acorde de maçã não tem a mesma doçura frutada do original e se assemelha mais a saída do perfume Eros Men. A parte cítrica é mais enfatizada também e o aroma especiado seco e herbal do zimbro se torna mais evidente. De alguma forma o acorde de cannabis se torna mais destacado no centro da composição também e as nuances florais cremosas vão para o segundo plano. Na base o perfume em vez de manter a doçura cremosa do original acaba enfatizando mais os elementos amadeirados, em especial o vetiver e o cedro.

Em termos de qualidade da fórmula Jocker mantém o mesmo excelente padrão da Nuancie e possui boa projeção e boa fixação. Pessoalmente é uma escolha curiosa de posicionamento e interpretação olfativa e não é um dos meus favoritos da marca, mas foi um risco que a Nuancie correu e que se mostrou bem sucedido entre os consumidores.