28 de abr. de 2011

L'Instant Pour Homme EDT e L'Instant Pour Homme Extreme EDP - Guerlain Resenha/Review


Notas: limão, bergamota, pimenta rosa, elemi, jasmim, sândalo, chá lapsang, cacau amargo, sementes de hibisco, patchouli, grãos de cacau amargo, erva doce

Uma característica rara no mundo da perfumaria é a presença de uma dupla de perfumes, um masculino e outro feminino, criados com o mesmo nome, o mesmo conceito e que se complementam bem, onde é possível perceber que há qualidade em ambos. Em geral, quando um perfume feminino é criado e faz sucesso, um masculino é feito logo em seguida, mas dificilmente atinge o mesmo impacto que o feminino, sendo, de forma geral, um produto menos marcante e até um pouco inferior. L'Instant Pour Homme de Guerlain entra para o time das poucas exceções, como Angel e Lolita Lempicka, onde as criações masculinas e femininas se complementam, são criadas com qualidade e possuem um aroma distinto e bem feito do começo ao fim.


L'instant Pour Homme, da mesma forma que o feminino, foi um perfume necessário para que a Guerlain mostrasse que sua tradição poderia ser adaptada a uma tendência olfativa diferente da que vinha sendo utilizada pela marca, que vinha mantendo na ala masculina perfumes clássicos e que, apesar de possuirem uma excelente qualidade, não se destacavam entre a nova geração.  Com L'Instant Pour Homme, a grife consegue criar um aroma  masculino  gourmand, mais jovem que os seus perfumes anteriores, e ainda assim aliar a isso uma base mais amadeirada, que parece moderna e de qualidade.

Beatrice Piquet, a perfumista responsável pela criação masculina, parece ter se utilizado de uma visão de um instante diferente do instante usado por Maurice Roucel no feminino, mas mantendo a luminosidade olfativa que o feminino possui. Para isso, ela o adapta a um perfume complexo, cheio de contrastes, que cria como que uma guerlinade moderna com diferentes materiais. L'Instant Pour Homme possui a luminosidade, cremosidade, complexidade e o contraste entre diferentes elementos que os clássicos guerlain costumam ter, sob a perspectiva de um instante em um outono, na versão edt, e de um inverno, na versão edp.

EDT e EDP se complementam, como visões diferentes, em estações diferentes, sobre o mesmo dia, com uma luminosidade e intensidade diferentes de acordo com o instante capturado. O EDT parece capturar um dia de outono, mais ameno e equilibrado. Esse instante é um instante de transição, que começa com uma breve passagem de um acorde cítrico e luminoso na saída. Essa percepção evolui para uma predominância especiada, com destaque de erva doce e da pimenta rosa, suportado pelo adocicado da resina e pelo cacau. O cheiro do cacau na versão EDT é mais seco, possuindo ainda sim um lado gourmand adocicado, que, como a maioria dos clássicos da grife, parece inspirado em uma refinada sobremesa sem contudo ser uma reprodução exata do cheiro dela. Conforme esse instante progride do cítrico inicial para o aroma picante e doce e a dominância do cacau, percebe-se que a base é formada principalmento por um patchouli que é amadeirado porém sem ser canforado, e que se mantem de forma suave, as vezes difícil de indentificar, porém persistente conforme as horas passam.

O EDP é o mesmo momento, clássico e moderno, capturado no EDT, porém com uma ênfase maior na parte gourmand e com uma cremosidade amadeirada intensificada na base. Enquanto o EDP parece ser um momento de menos variações, como o instante de um dia invernal onde a luminosidade pouco se modifica durante o dia,  mas com a intensidade do momento alterada para complementar o ambiente frio. O aspecto cítrico é deixado de lado e o cacau adquire um cheiro mais gourmand e próximo de um chocolate. Na saída, as sementes de hibisco e o anis são mais presentes e formam um especiado doce e amargo, passando rapidamente para a dominância no cacau. Na base, o patchouli é mais intenso, mais amadeirado e canforado, e o sândalo é usado para dividir o cenário com o patchouli e não ser apenas seu suporte. Esse momento invernal EDP é ainda mais alinhado com o que se esperaria de uma versão moderna da guerlinade, mantendo a incrível qualidade que os clássicos da marca possuem.

Ao criar um instante luminoso, como a versão feminina, porém complexo, utilizando as notas com qualidade em geral vista na perfumaria feminina mas de um ponto de vista mais masculino, L'Instant Pour Homme é um avanço da marca em direção a uma nova geração de perfumes da marca para o os homens. L'Instant Pour Homme pode conviver em igualdade com clássicos como Vetiver e Habit Rouge e ser visto como um raro momento de perfeita infusão de acorde cítricos, amadeirados especiados e gourmands. A versão a ser escolhida dependerá muito do gosto, da preferência por um equilíbrio mais outonal, no caso da edt, ou de uma saturação gourmand amadeirada e invernal, na versão edp. Que esse instante não seja efêmero e se dissolva em uma amarga descontinuação no futuro!

2 comentários:

Para_Colorir disse...

Para usar no inverno?

Henrique/Rick disse...

Eu diria que ele não funciona em dias muito quentes e abafados. Acho que dá pra usar no inverno, no outono e até em dias mais amenos da primavera. Mas isso acho que depende muito do gosto de cada um (e da aplicação tbm, mais ou menos generosa)

Postar um comentário

Commentários/Comments