2 de jul. de 2020

Amberfig Tabac Royal - Avaliação Perfume



É interessante como alguns materiais e aromas da perfumaria são cobiçados mas totalmente idealizados. Sempre tive curiosidade com o aroma do absoluto de tabaco, obtido por meio de extração por solventes. A primeira impressão que tive quando comprei o Óleo Absoluto e conheci o material se confirmou com os meus sonhos: um aroma denso, que remetia a fumo, com um cheiro picante e uma certa doçura espessa. Entretanto, a idealização disso é que o aroma do tabaco por mais maravilhoso que seja é um daqueles aromas que emudece dentro da composição, como uma criança exótica e cheia de personalidade mas que se mostra tímida perto de outras crianças mais barulhentas.

Em Tabac Royal David Magalhães se preocupa em fazer com que o aroma do Tabaco seja o centro das atenções na composição mas não é uma tarefa fácil. Por mais que o Tabaco vá aos poucos se revelando na pele e por mais que certamente há uma boa dose dele aqui os seus coadjuvantes em vários momentos roubam a atenção. Ainda sim, a forma como eles são escolhidos ajudam a reforçar a fantasia de um perfume nobre de tabaco.

Uma coisa que acho interessante é como as notas de base da composição parecem se destacar rapidamente na saída. O aroma meio mineral, úmido e molhado do cashmere pode ser percebido junto com as nuances medicinais, secas e amargas do cumaru/fava-tonka. O cumaru/tonka acaba servindo como uma espécie de flavorizante para esse tabaco, que vai revelando seu aroma de erva e seu aspecto defumado com o passar do tempo na pele. As notas tão intensas da base acabam mascarando para mim a framboesa, conhaque e heliotropio, com a doçura deles perceptível de fundo ao aroma do tabaco, tonka e cashmeran.

Suavizando o lado mais difícil do tabaco entra uma base mais oriental e gourmand e que faz com que o perfume vá se tornando adocicado aos poucos na pele. Temos aqui uma baunilha cremosa, nuances de licor de chocolate e um aspecto que me remete a açúcar queimado. O tabaco se torna mais tímido, o que é típico do material natural, mas pode ser percebido nos últimos estágio da evolução na pele. Nessa última fase ele remete a uma criação do Fábio Condé, Tabac D'Or, talvez pela utilização de materiais naturais do mesmo fornecedor, mas ainda sim são dinâmicas diferentes na pele e quem achou talvez o Tabac D'or difícil pode vir a gostar desse aqui.