17 de jul. de 2020

Amyi VII - Avaliação Perfume/Experiência



Ao estruturar os seus perfumes em 3 coleções e estimular uma jornada sequêncial a Amyi guarda para o final o que ela tem de mais interessante e mais alinhado com alta-perfumaria e arte. Ainda que em termos de fragrâncias todas sejam excelentes a coleção proposta por Sandra Casagrande soa confusa e desconexa e a proposta por Cleber peca em novidade ainda que capriche no que é entregue. Samuel Moraes é o que mais surpreende ao trazer em suas 3 fragrâncias notas e acordes exóticos e que de fato são educativos, luxuosos e diferentes.

A única coisa que prejudica Amyi VII é a maneira que Samuel conta sua inspiração, o que atrapalha a experiência do ponto de vista educativo e pode induzir erroneamento o sensorial. Samuel classifica Amyi VII como o perfume de uma mulher madura, o que dá a impressão de algo senhoril. É uma fragrância que passa longe disso, estando mais para um floral sensual próprio para alguém ao redor dos seus 30 anos. O perfumista se contradiz um pouco também por enfatizar a importâcia do conceito e da história no processo de criação olfativo em um vídeo onde ele pouco fala sobre isso em sua criação.

Deixando isso de lado, Amyi VII é um perfume interessante, trabalhando um conceito de romã e orquídea que ao mesmo tempo que trás algo familiar soa diferente, principalmente para a perfumaria contemporânea. O perfumista poderia ter simplesmente se inspirado no Black Orchid para trazer uma orquídea negra mas ele parece exaltar a cremosidade da vanilla (que é uma orquídea) e trazer o aspecto clássico e levemente metálico da orquídea, um aroma que saiu de moda a muito tempo da perfumaria comercial e que por isso é como se fosse algo novo e exótico.

A parte da romã me faz pensar em algo mais abstrato, um cheiro adocicado, vermelho mas ao mesmo tempo um pouco azedinho, como se lembrasse  maracujá. A orquídea surge primeiro de uma maneira mais clássica, mostrando esse lado mais ousado que é uma maneira de torná-la mais negra. A outra forma feita para isso é dando ao perfume uma aura noturna, com uma combinação de baunilha, sândalo, musk e um toque de flor branca. Isso as vezes remete a fórmula original do Dior Addict e as vezes parece evocar distantemente o perfume Hypnose de Lancôme. A diferença é que Amyi VII não é nem exageradamente doce nem muito carregado no aroma floral, criando uma fragrância narcótica e noturna muito sensual e intrigante.