24 de ago. de 2020

Natura Curtidas de Humor e Humor à Vista - Avaliações Perfumes


Ainda que Veronica Kato, a perfumista principal da Natura, não trabalhe sozinha o ritmo frenético de lançamentos da marca inviabiliza que tudo que seja lançado seja completamente desenvolvido em seu potencial. Percebe-se que a marca tem feito excelentes trabalhos nos flankers de seus lançamentos mais premium (Essencial, Una) e em algumas linhas importantes ( Luna, Ilia, Natura Homem). Nas outras linhas e em especial nas de posicionamento mais jovem, caso da linha humor, a marca tem deixado a desejar.

Faz um bom tempo que a Natura não oferece um lançamento na linha Humor que seja à altura das primeiras criações de uma linha que se tornou icônica dentro da marca. Esse ano a marca bem que tentou com uma dupla masculina e feminina de criações que tentam ser modernas e trabalhar um conceito em comum - perfumes inspirados em bebidas. O maior problema é justamente como isso é feito em ambos.

Curtidas de humor se propõe a ser um perfume irreverente e diferentão que teoricamente incorpora um drink de licor de amora negra com avelã glaceada, baunilha e orquídea negra. O perfume na pele não tem nada que seja irreverente ou diferentão de fato, é o que se esperaria de um gourmand frutado, algo que a marca já ofereceu de forma melhor ao longo do ano tanto na parte gourmand quanto na parte frutada. A tal ideia de licor de amora negra conduz a uma saída frutal silvestre que remete a um perfume da victoria secrets, soando um pouco genérico e barato. O perfume se torna mais interessante conforme esquenta na pele e oferece um aroma de avelã que de fato parece ser calibrado com baunilha e açúcar o suficiente para que soe glaceado. Toques amadeirados e terrosos acabam equilibrando e finalizando o perfume. É uma criação média, sem uma relação forte com o que se propõe ou com a nota que leva o destaque. É do tipo que se curte apenas por consideração por quem postou.

Humor à vista consegue ser mais sucedido que Curtidas de Humor em sua ligação entre aroma e conceito. Ainda que a marca não explique qual a ligação do perfume com o nome, a ideia aqui é reproduzir o aroma de um drink chamado moscow mule, um drink feito de vodka, cerveja de gengibre e suco de limão, com a fragrância ganhando uma base de vetiver, sândalo e ambar. Acho curioso como a marca joga a palavra irreverência com notas amadeiradas e de base sem novamente trabalhar isso de uma forma que soe irreverente, mas certamente a combinação de gengibre e limão conseguem remeter a isso, explorando muito a conexão entre o aroma refrescante e de limão que o gengibre tem entre seu aspecto mentolado.

O problema de Humor à Vista é o que é construído por trás da irreverência, um aroma amadeirado aquático que já foi feito tantas vezes e por tantas marcas que é difícil dizer bem o que ele remete. É certo que há alguma dose de calone entre o gengibre e o limão para fazer o papel aquático, o que dá uma leve nuance de ovo para quem for sensível a esse aspecto do material sintético calone. De forma geral o perfume parece um retrabalho do descontinuado Urbano Recria, apenas com uma saída mais interessante e descolada que pelo menos faz todo sentido com o que é proposto. Assim como o feminino, gostosinho mas nada que empolgue muito.